Real Madrid: Bale entre os 12 titulares de Carletto.

Possivelmente, o único lugar no mundo em que número excessivo de bons jogadores no plantel se torna um problema, é no Brasil. E que fique bem claro, o número excessivo de bons jogadores no plantel se torna um problema para uma imprensa esportiva que não tem o que dizer.

Recuperado de uma lesão muscular, o meia Gareth Bale já está a disposição do técnico Carlo Ancelotti, após 20 dias de tratamento. Os blancos seguem funcionando muito bem sem Bale e vão enfrentar o Liverpool nesta terça-feira, no Bernabeu pela quarta rodada da fase de grupos da Champions League.

O Real Madrid segue com 100% de aproveitamento na primeira fase da CL, com três vitórias (9 pontos) em três partidas. Caso haja uma nova vitória nesta terça, os merengues já se vêem praticamente classificados para as oitavas de final. A re-inserção de Bale no time blanco, também causa um “blábláblá” desmedido na imprensa espanhola.

O periódico espanhol El País sublinhou as palavras de Carlo Ancelotti, desqualificando qualquer suposta insatisfação dentro do elenco. Bale pode ser titular, como também pode entrar no decorrer da partida contra o Liverpool, visando uma recuperação física referente à temporada passada.

O meia galês de quase 100 milhões de Euros foi decisivo na final da Copa Del Rey vencida contra o Barcelona e fez o gol da virada na final da Champions League, vencida contra o Atlético de Madrid. Isso em sua primeira temporada em Chamartín, ainda se “adaptando” ao estilo de jogo espanhol.

O fator Isco.

Nos últimos 20 dias, Ancelotti consolidou um meio-campo com o midiaticamente discreto Isco no lugar de Bale. O toque de bola do meio-campo blanco floresceu de maneira vistosa, numa configuração na Espanha descrita enquanto um 4-4-2. Porém, com Isco, Modrić, Kroos e James o atual meio-campo do time de Carletto, lembra mais do que nunca o seu Milan em 4-3-1-2. Anteriormente especulamos aqui no 90 Minutos a lapidação de Illarramendi por Carletto num processo parecido com o de Andrea Pirlo, quando o meia chegou ao Milan comandado pelo treinador italiano.

Na prática é Isco quem está se adequando a função de low playmaker de uma maneira muito similar àquela que Carletto proporcionou a Pirlo. Isco jogava adiantado no Málaga, como meia centralizado, por vezes entrando na área. Foi assim que aquele Málaga de Isco chegou às quartas de final da Champions League 2012/2013. O time então comandado por Manuel Pellegrini foi eliminado no último minuto do jogo de volta, contra o Borussia Dortmund, em Dortmund.

Pirlo foi dado praticamente de graça ao Milan pela Internazionale, inicialmente cumprindo uma função de segundo atacante. Foi Ancelotti quem o recuou e o transformou no Pirlo que todos conhecemos. A configuração do meio-campo blanco atual é similar à do Milan no desenho tático, sendo também superior ao daquele rossonero, no quesito talento. O Milan tinha Pirlo/Gattuso/Seedorf/Rui Costa (posteriormente Kaká). Destes Gattuso era o único que não tinha caracteristicas de meia ofensivo, atuando como volante que roubava a bola e saia em velocidade pelo lado direito.

“No futebol atual, não há tempo de fazer pré-temporadas e os jogadores buscam sua melhor condição jogando (…) Porém, para estar fisicamente bem até o fim, são importantes as rotações. Os jogadores sabem que não podem jogar todas as partidas. Isco o está fazendo muito bem e tem uma imagem muito boa. Todos que amam o futebol querem ver jogadores como ele”, disse Ancelotti defendendo a rotação no plantel e o futebol de Isco.

Não é exagero antever a possbilidade de Isco ser o suscessor de Xavi na seleção espanhola. O El País também ressaltou que o Real Madrid mantem uma sequência de 11 jogos sem derrota, a melhor marca do próprio Carlo Ancelotti em 20 anos de carreira.

Foto de Bale e Ancelotti: Getty Images.