Supercopa de España: rojiblanca!

E na última sexta-feira o Atlético de Madrid conseguiu bater o grande rival local (e muito mais rico) Real Madrid, na partida de volta da Supercopa da Espanha 2014. Os colchoneros a disputaram por terem vencido a última liga espanhola e o Real Madrid, por ter vencido a última Copa Del Rey. Hoje em dia, de pré-temporada, as Supercopas europeias já não tem mais nada.

A gestão do Atlético de Madrid segue exemplar, sem fazer loucuras financeiras e plenamente adaptada a uma era de fair play financeiro. As duas partidas da decisão em que os colchoneros empataram em 1×1 fora de casa e venceram por 1×0 no Vicente Calderón, já mostraram as principais aquisições rojiblancas para a temporada.

Possivelmente a única lacuna irreparável seja a deixada pelo goleiro Courtois, que estava emprestado pelo Chelsea. Para a posição veio o espanhol Moyá, ex-Getafe que passa a impressão de que fará um bom papel. O clube lá em Madrid, consegue fazer o que os cartolas brasileiros não conseguem, ou seja arrumar atletas brasileiros anônimos a preço módico e valorizá-los.

Filipe Luis chegou discretamente e saiu a 20 milhões de Euros. Já há um Guilherme Siqueira ocupando a vaga do primeiro na lateral esquerda. As boas vendas tanto de Filipe quanto de Diego Costa, mais premiações referentes a liga e ao vice-campeonato da Champions League, permitiram alguns luxos. Mandzukić talvez seja até superior a Diego Costa, sobretudo no jogo físico.

O francês Griezmann é promissor e caso estivesse numa grande potência financeira, teria menos chances de titularidade plena. O discreto mexicano Jimenez que fez bom Mundial está incluso no grupo colchonero. Fora as caras novas, o time base e o técnico Diego Simeone, seguem da mesma forma e mostrando a mesma disposição.

Dos remanescentes do vice-campeonato da CL, Raul García deve assumir algum protagonismo e foi um dos melhores em campo, nas duas partidas da Supercopa, tendo feito o gol de empate no jogo de ida. Garcia, Koke e Gabi são peças valiosas para uma renovação da própria seleção espanhola.

Os mais mal humorados diriam que vencer o Real Madrid com Cristiano Ronaldo abaixo das condições físicas e sem Di Maria, é uma tarefa menos complicada, o que não deixa de ser verdade. Em todo caso, valeu a revanche.

Parabéns Atlético de Madrid. E boa sorte na temporada 2014/2015!