A volta da grande família?

O programa ‘4 em campo’ da rádio CBN encerrou-se nesta terça feira ao som da canção de Dudu Nobre, que serve de tema de abertura para o programa televisivo cujo nome fizemos alusão no título deste texto.

A família em questão aos quais os bons jornalistas Carlos Eduardo Éboli, Paulo Massini, Mario Marra e Marcos Guioti se referiam. obviamente é a ‘família Scolari’. Nesta quarta-feira Felipão volta ao comando da seleção brasileira em partida oficial contra a Inglaterra, com Ronaldinho Gaúcho antecipadamente confirmado como titular.

Este que vos escreve rapidamente se lembrou da chegada de Felipão a seleção em meio as eliminatórias do Mundial de 2002 dando espaço a Romário. Se não me falhe a memória, na estréia do técnico o Brasil foi derrotado por 1×0, pelo Uruguai.

Gol do esquecido Frederico Magallanes que visualmente lembrava muito Edinson Cavani, o grande nome uruguaio atual. Romário (na época jogador do Vasco) pouco fez na ocasião e pouco depois pediu dispensa da seleção alegando necessidade de fazer uma cirurgia nos olhos ou coisa que o valha. Decretou sozinho a perca de espaço que culminou em sua não convocação em 2002.

Chance ao baixinho Felipão concedeu sim. Em 2011, o jornalista Jorge Kajuru apresentando-se pela emissora Esporte Interativo promoveu em seu programa entrevistas com Felipão, Romário (já deputado) e Eurico Miranda. Você leitor, procure por aí via You Tube porque a emissora em questão disponibiliza tudo via internet.

Aos olhos deste que vos escreve, Romário foi feito de bobo pelo então presidente Ricardo Teixeira que, segundo o próprio baixinho em palavras ditas a Kajuru, lhe prometeu a convocação. O odiado Eurico Miranda, antigo desafeto de Kajuru foi frontal e sagaz diante do jornalista dizendo que Romário nunca teve perfil de família Scolari. Que um clube que contava com Romário precisava se adaptar ao camisa 11. Na família Scolari parece que não havia espaço para Agostinho Carrara…

Corta para 2013. Ronaldinho vai para o jogo e, na humilde interpretação deste que vos escreve, não deve fugir da raia. R10 as vezes se assemelha a uma ‘diva sedenta por holofotes’ (no melhor sentido da expressão) e começou a tornar-se aquilo que por algum tempo foi, justamente com Felipão em 2002.

Esperamos o Ronaldinho da temporada 2004-2005 pelo Barcelona. Esperamos o Ronaldinho da campanha na CL 2005-2006 a exceção do jogo final em que parecia estar querendo resolver sozinho (tema que já desenvolvemos anteriormente). Esperamos o Ronaldinho sedento por uma vaga que não obteve no time do Mundial de 2010, quando respondeu sozinho pelo Milan na temporada que antecedeu a competição na Africa do Sul.

Família Scolari, alea jacta est.