Reforma do Morumbi é uma versão fracionada do assalto do Itaquerão

Ainda que nada se compare ao assalto sórdido que foi a construção do estádio do Corinthians/Odebrecht com o apoio das três esferas de poder, num mau-caratismo apartidário que prova que no Brasil, defender um partido contra o outro é sintoma de ingenuidade ou pilantragem, é preciso lembrar que o Morumbi também se beneficiará do banditismo político.

Mesmo pagando todas as suas despesas (ao menos aparentemente) e ganhando benesses incomparavelmente menores do que o roubo à mão armada do Itaquerão, o São Paulo ganhará uma alteração de lei incompatível com um país sério. Um crime não é menos criminoso se o valor roubado é menor e a cidade mais uma vez está sendo lesada com a alteração de lei que Kassab propõe para favorecer as obras do Morumbi. Leis de zoneamento e ocupação não podem ser alteradas porque o interessado é politicamente bem-relacionado.

O prefeito de São Paulo não sabe a diferença entre ilegalidade, ética e transparência. Doou dinheiro (em forma de títulos públicos) ao Corinthians para ficar bem com a torcida e agora o fará com São Paulo e provavelmente, Palmeiras. Em qualquer país sério, isso daria inquérito. No Brasil, nada parece sério porque nada é sério. Isto é uma vergonha, como diria Boris Casoy.

8 respostas para “Reforma do Morumbi é uma versão fracionada do assalto do Itaquerão”

  1. Concordo contigo em tudo, mas é complicado você investir em jovens atualmente. Quando aparece alguém com talento, como é, na minha opinião, o caso do Eriksen, o preço de seus direitos simplesmente dispara por conta do grande número de clubes interessados.

    E creio que Carlitos ficará duas temporadas e meia em Milanello. E nesse período irá redefinir as expressões “troublemaker” e “fan favourite”, pois o cara é o jogador mais talhado para fazer sucesso na Serie A que já vi na vida.

    Sobre o individualismo exacerbado no Milan, acho que isso fica circunscrito ao ataque. Aí, só salvo o, pasme!, Robinho. Esse está jogando para a equipe.

  2. O Kassab é um expoente do que tem de pior na política brasileira: um cara sem ideal nenhum, ambicionando apenas o poder e que fica do lado daquilo que acha que servirá mais ao interesse dele. É um sujeito lamentável, não sei como ele conseguiu se eleger em São Paulo, mas o dano já está feito, agora vai virar mais um cacique de um partido que não é nada mais que um conluio dos mais suspeitos interesses.

  3. Todos errados: o SP por procurar o dinheiro público de forma desavergonhada e os governantes que adoram usar esse tipo de evento como chamariz para ficar bem com o eleitorado (que muitas vezes engole isso).

    Desejo a todos do blog um Feliz Natal e um ano novo com muita saúde, paz, felicidade e sucesso!

  4. Olha, na atual conjuntura, acho um desperdício gastar dinheiro num jogador que daqui a um ano e meio se dirá infeliz e querendo mudar de clube. O Tevez é bom tecnicamente, mas é ainda mais mau-caráter que o Ibrahimovic. Acho mais jogo buscar um jogador mais jovem na Holanda ou Alemanha. Esse time do MIlan me parece muito um grupo de jogadores e não um time. O Tevez só pioraria essa situação. abs e bom 2012 para vc também.

  5. Tuiuan, eu até gosto, mas aquilo é um feed de imagens de uma comunidade do Flickr. Não sou eu que posto. Simplesmente replico o que se coloca naquelas comunidades… abs

  6. Cassiano, você gosta de futebol americano? Tem um monte de estádios, desde universidades, até de times da NFL nas fotos do seu Blog…

  7. Típico da política daqui, onde a única coisa realmente séria, além da desesperada tentativa de ficar bem com todo mundo, é o pagamento da caixinha para quem viabilizou a obra.

    Aproveito o final do ano para desejar meus mais sinceros votos de boas festas e um 2012 – que será mais divertido se Carlitos for mesmo para Milanello. Prendilo, Galliani! – cheio de saúde e realizações para o Cassiano e os demais postadores deste blog.

Os comentários estão desativados.