Um domingo de futebol Brasileiro

Duas partidas da Seleção Principal no mesmo dia e nenhuma surpresa . Na vitória e na derrota (sim, porque empatar com a Venezuela não é bem um empate), o Brasil não decepciona (ou melhor, não decepciona, mesmo quando decepciona, porque o que se espera dele sempre vem). E mesmo com todos os atenuantes, dá paa ver que a mediocridade da Era Dunga, na verdade, não era dele – é da gestão teixeiriana. E essa mediocridade, que teve um breve hiato durante a presença de Scolari no cargo, continua forte. E abaixo, seguem algumas notas sobre o cinzento domingo de futebol.

– O Brasil não é equivalente à Venezuela, assim como a Argentina não é a mesma coisa que a Bolívia (embora, entre Buenos Aires e La Paz haja menor distância do que entre Caracas e Brasília – não geograficamente, bem-entendido). O time não se conhece, não tem um treinador à altura da técnica de seus jogadores, não tem motivação e boa parte dele vem de uma temporada extenuante. Ademais, a Copa América e nada são quase a mesma coisa.

– Não adianta vociferar que é preciso ter motivação para jogar pela Seleção. Os jogadores brasileiros não são gênios, mas mesmo em sua simplicidade intelectual, é impossível não se dar conta que enfrentar o Manchester United numa final de Liga dos Campeões não é a mesma coisa que pegar uma Venezuela – isso, sem falar do cansaço físico. Se jogadores chegam à Copa do Mundo mentalmente estafados e jogam mal, imagine para disputar uma Copa América.

– Dirigentes santistas, treinadores empenhados em vendê-lo ao exterior e o “estafe” particular de Neymar deveriam dar alguma atenção, ao menos, às observações dos rivais sobre ele. Se TODOS os adversários pelos quais Neymar passa o acusam de ter uma conduta antiesportiva (seja no clube, seja na Seleção), é bastante improvável que eles façam parte de um grande complô global contra o Santos (sei que parte da torcida acredita nsso, mas garanto que não é verdade). Grandes craques como Zico, Pelé, Ronaldo, Kaká e Ronaldinho Gaúcho foram criticados por alguns adversários, mas elogiados por outros. Neymar tem uma técnica inacreditavelmente apurada, mas é a mente que rege o corpo. Seu desenvolvimento passa por uma maturação sob o ponto de vista humano e, convenhamos, com o assédio que ele sofre, isso é praticamente impossível sem ajuda.

– A Seleção de Mano foi montada para colocar Ganso no time titular a qualquer custo. Não há ninguém que admire mais o meia do que eu, mas escalar como titular absoluto um jogador que deve ter jogado meia dúzia de partidas nos últimos 12 meses é incompreensível. O craquíssimo santista não tem ritmo de jogo e reinseri-lo às pressas por comprometer sua recuperação (que não está encerrada somente porque ele voltou a jogar). Além disso, não é o jogador ideal para atuar com mais três atacantes, porque perde espaço em sua movimentação natural. Muito mais eficiente seria jogar com um centroavante e um atacante que partisse da intermediária. Mano aparentemente não enxerga isso, – algo que não surpreende. Para jogar com Ganso, o Brasil precisa do 4-3-1-2 porque o meia santista é afeito a esse tipo de jogo. Se quiser usar o 4-3-3, Mano terá de abrir mão dele e dar a criação das jogadas a jogadores mais fortes fisicamente no meio-campo. Na sofrível partida com a Venezuela, a entrada de Lucas tentou corrigir isso dando mais um meia à Seleção, mas ainda assim não funcionou. Vejamos quanto tempo Mano levará para concluir o óbvio – sacar um Ganso fora de forma ou deixá-lo jogar como pode render mais.

– Numa entrevista dada à Folha no sábado, Robinho diz estar ciente de que pode perder seu lugar para Lucas, mas na realidade, seu lugar já está perdido e é para Neymar. Mesmo com toda a sua imaturidade psicológica e tática, o neocampeão da Libertadores já é muito mais eficiente do que Robinho, por sua vocação para partir rumo ao gol em contraste com a tendência do milanista de parar a jogada para tentar o drible. Neymar deve tomar Robinho como exemplo: o ex-atacante do Real Madrid é aquilo que ele – Neymar – se tornará se não amadurecer, mesmo sendo mais talentoso. Robinho pode estar rico e famoso, mas não é sombra do que seus entusiastas achavam que ele poderia ser.

– É muito legal ver o futebol feminino ganhando maior exposição e rumando para uma consolidação como esporte, mas como espetáculo, ainda não dá. Sei que bastante gente se empolga com o futebol da meia Marta e de fato sua capacidade é assombrosa, só que creio que o futebol feminino ainda precise ser tutelado antes de ser vendável como atração para valer, assim como ocorre com o vôlei, o tênis ou as competições de atletismo feminino. Sem o Brasil ter uma liga regular, durante uma quantidade considerável de anos em seqüência, ficaremos sempre com a sensação de que a união em torno das meninas tem um caráter paternalista – e não precisa nem deve ser assim. Não dá para tratar o esporte como amador o tempo todo e exigir dele qualidade profissional durante campeonatos mundiais. Ou melhor: dá, mas não é justo.

2 respostas para “Um domingo de futebol Brasileiro”

  1. Eu achei o Brasil ridículo, subdunguiano, contra a Venezuela; o ganso é um cracaço em potencial (já excelente, pode ser monstruoso), mas fisicamente, uma incógnita; o Mano é um treinador brasileiro comum, com marketing e RP excelentes, mas a carreira dele, em termos de título, fala sozinha. abs

  2. Achei o primeiro tempo até razoável, com 3 boas chances de gol, com o Pato participando bem na frente e uma equipe que teve bons momentos. Já o segundo tempo foi algo sofrível de se ver, um time opaco.

    Sobre o Ganso, acho que as pessoas deusestimaram demais ele. É bom jogador, tem potencial pra ser muito bom, mas é um jogador que fez um ótimo 1o semestre de 2009 e depois mais nada, porque teve 2 lesões sérias, e que mesmo jogando pouco, é elevado a categoria de “craque”, “salvação” e etc. Deixa o cara realizar uma temporada por inteiro pra ser avaliado por completo, porque parece que ele é um jogador que faz ótimos e nulos jogos.

    Se fosse o Mano, ainda insistiria no 4-3-3, acho que dá pra seleção render bem nesse esquema, incluindo o próprio Ganso. Obviamente que com outras peças esse time poderia render muito mais. (Marcelo na lateral-esquerda, Sandro e Hernanes como volantes e Lucas como atacante).

    No futebol feminino me irrita ver que a CBF que nada faz, não apoia em nada os profissionais da área, aparece para se aproveitar do sucesso das meninas. Aliás, quando que ela não faz isso né?

Os comentários estão desativados.