Considerações de um título aguardado

Jogo, feio, empate e scudetto. O Milan conquistou um título anunciado há meses, menos pelo próprio brilho do que pela entropia interista que voltou a níveis pré-calciopoli. Não se deve tirar o mérito milanista: o time não é excelente (ainda se recupera do caos causado pela confusão de 2006), mas se excedeu. Com um super-Ibrahimovic (campeão nacional há oito anos consecutivos), uma defesa imperfurável e algumas descobertas (vide Boateng), os rossoneri chegaram lá numa liga decadente e que precisa reaver seus grandes clubes no seu status natural.

Na comemoração do título, um evento chamou a atenção. Desgovernado, O volante Gattuso desfilou o seu veneno contra Leonardo cantando junto com a torcida milanista (“Leonardo, uomo di merda”) e viu um escândalo atrás de si. Ok, foi uma queda de estilo de Gattuso, mas absolutamente natural. Gattuso é apegadíssimo ao Milan e como bom calabrês, sentiu a ida de Leo à Inter como uma traição pessoal, que já tinha se iniciado no ano em que Leo o deixou no banco de reservas. E antes de invocar ultraje, vale observar a história. Pessoalmente, me lembro ao menos de Materazzi rindo com a camisa da Juventus após a derrota em Perugia que deu o título à Lazio, Nesta, no mesmo ano, no vestiário da Lazio cantando “Juve, Juve, vaffancullo”, diante das câmeras de TV, Massimo Moratti dando bananas para Galliani na tribuna de San Siro depois de um derby, Ambrosini segurando uma faixa mandando a Inter enfiar o scudetto naquele lugar (o Milan acabara então de vencer a LC), etc. Leonardo é visto – justamente – como um traidor em Milanello, dadas as juras de amor e promessas de jamais treinar outro clube na Itália. Gattuso só se expôs ao externar o que se fala dele dentro do clube.

13 respostas para “Considerações de um título aguardado”

  1. Concordo com o lance do Leonardo, mas ainda discordo da questão do Gattuso, que é mais bem quisto fora de campo do que o Materazzi. E tb concordo que foi uma bobagem dele se expor (embora compreensível), porque como figura pública, todo mundo cobra mais. Se continuarem perseguindo o Gattuso, ele vai tatuar uma foto do Tab Ramos para se defender. :-D. abs

  2. Só pra finalizar sobre Gattuso, recordo o que escrevi ontem: “O que fiz foi comparar Gattuso e Materazzi e mostrar o quanto eles são parecidos dentro e fora de campo. Apesar de concordar que o Matrix é mais violento”.
    Sobre Leonardo, me lembro que ele ficou inseguro diante da proposta, solicitando a opinião de “amigos” sobre a possibilidade de aceitar. Pelo visto, foram esses “amigos” que vazaram a notícia.
    Particularmente, apesar de estar ciente de que essa era uma decisão só dele, acredito que Leonardo errou ao aceitar começar a carreira por cima. Apesar de sua inteligência acima da média, pelo que vimos no Milan e agora na Inter, Léo ainda não está preparado.

    Abraços.

  3. Michel, vou deixar uma coisa clara: não acho que a atitude do Gattuso seja nobre. Na verdade, ele foi bem pouco inteligente. Sempre que vc se alinha com uma torcida organizada está sendo burro – mesmo que ela esteja salvando crianças na África. Meu ponto, e realmente acredito nisso, é que o Leonardo resolveu trocar o discurso de amor por dinheiro. É um direito dele. A única coisa que eu argumento é que o Leonardo não pode reclamar de ser tratado como Judas pela torcida do Milan. Tivesse sido ele um grande profissional e ponto, a celeuma não seria essa. Mas declarações de amor, juras de amor eterno e lágrimas seis meses antes de ir para o maior rival não combinam. Ele sempre se beneficiou da identidade que tinha com o clube (inclusive quando virou técnico, porque não é verdade que ele não queria – ele mesmo começou a ventilar a notícia de que seria o sucessor do Ancelotti mesmo antes do campeonato terminar e por isso tomou uma comida do Maldini, que achou isso falta de consideração); nada mais lógico que sofra uma retaliação mais severa ao resolver ir para a Inter. abs

    E sim, você lembrou de um episódio recente, mas nem vai lembrar de outros nem dele sendo acusado de deslealdade ao longo da carreira. abs

  4. Bem, Cassiano, como você bem disse, opinião é opinião. Concordo que na visão passional dos italianos (ou dos latinos), a ida de Leonardo para a Inter pode ser considerada uma traição suprema. No entanto, nunca poderemos perder de vista que depois de encher sua paciência para aceitar um cargo que ele, a princípio, não queria, foi o Milan que o mandou embora. Logo, nada mais normal do que Leonardo ouvir novas propostas de trabalho.
    Sobre Gattuso, só vou recordar de mais um entrave que aconteceu há distantes… semanas, quando o ele o “pacato” Joe Jordan por pouco não foram às vias de fato. Vale lembrar também que, se fosse possível, o volante poderia ter levado uns quatro amarelos só naquele jogo.

    Abraço.

  5. Naqueles dérbis pela CL 04/05, acho que na fase de quartas-de-final, Materazzi tentou assassinar Sheva pelo menos umas três ou quatro vezes em cada partida. Impressionante o ucraniano ter escapado ileso daqueles atentados contra sua vida.

  6. Novamente, sim, acho que ele se expôs, mas o Leonardo não pode se queixar de nada. Me lembro do Gattuso falando do Leonardo mesmo depois de já ter sido demovido ao banco, e com o Leonardo de saída. O tom era de respeito – tenso, frustrado, mas de respeito. O discurso do Leonardo era de amor eterno ao Milan e que jamais trabalharia na Itália. SEIS MESES depois, o cara vai ao maior rival? O que ele esperava? Abraços? Beijos? Não estamos falando de um Ibrahimovic que troca de clube a cada tres anos! O Leonardo passou 13 anos no Milan. Teve uma despedida no clube em que todos os funcionários e colegas usavam uma camisa com o nome dele, foi vice-presidente, técnico, etc.

    Concordo com vc que o fato do Leonardo ter sido não mais que um bom coadjuvante não o condena, mas o comportamento dele na questão Milan-Inter foi perfeitamente aceitável como profissional, desde que ele não se incomode com a pecha de “Judas”. Ronaldo e Ibrahimovic não se incomodaram, mas foram tratados como cães em termos de recepção. abs

  7. Michel, sinto muito, mas não há parâmetro de comparação, sob absolutamente nenhum ponto de vista. Claro que opiniões são inatacáveis, mas o histórico dos dois tem fatos que não se contestam

    O Materazzi tem uma lista de inimigos e um histórico de carnificinas, com histórias de mau-caratismo das mais variadas. Só de faltas no Shevchenko, ele tem uma compilação de videos no YouTube.

    O Gattuso, por mais que se fale que ele é um brucutu, violento, etc, teve somente duas expulsões na carreira (sendo que uma naquele derby do ano passado porque fez uma falta já com cartão amarelo, lesionado, porque o Seedorf estava sem chuteiras e demorou para entrar; a segunda nos acréscimos por uma falta boba contra o Ajax na LC, já tendo sido “amarelado” antes) e rigorosamente zero polêmicas envolvendo acusações de violência de rivais marcados por ele. Me lembro de duas rixas na carreira dele: o Poulsen (depois que o dinamarques tirou o kaká de campo de tanto bater) e o Leonardo. Diga-se de passagem, mesmo achando que o Gattuso se expôs tolamente, é difícil condená-lo pela raiva ao Leonardo. Há dois jogadores no Milan que não condenam o Leonardo: Antonini e Abate, que ele “bancou”.

    Nunca entendo trocas de clubes rivais como traição (embora as ache burras e arriscadas), mas no caso do Leonardo, não dá para ver de outro modo: nem tanto pela troca, mas pelo discurso anterior. O Gattuso se expôs, mas no clube, a opinião sobre o Leonardo é essa mesma, passando inclusive por grandes “ex”, como Ancelotti, Boban, Maldini e Baresi. abs

  8. O melhor que o Milan faria seria vender o Robinho valorizado. Ele já esta retornando ao seu padrão firulasinuteis.com. abs

  9. Boni,

    O que uma coisa tem a ver com a outra? Leonardo pode não ter sido um craque, pode ter irritado os milanistas ao ser contratado pela Inter, mas isso não justifica o que Gattuso fez com um ex-companheiro e ex-comandante. Se tem alguém errado na história, esse é o volante.
    O que fiz foi comparar Gattuso e Materazzi e mostrar o quanto eles são parecidos dentro e fora de campo. Apesar de concordar que o Matrix é mais violento.

  10. Michel..

    Leonardo não jogava nada também. Dizem que era o chaveirinho de Zico no Fla. Seu carisma era tão grande que jogou duas Copas, na segunda chamava Zagallo de “pai”..

  11. Sinceramente, não consigo ver diferenças entre Gattuso e Materazzi. São dois ogros, de comportamento grosseiro, limitados tecnicamente e que viveram seu melhor momento há alguns anos.

  12. Depois das contratações mais do que esperadas e anunciadas oficialmente hoje pelo Galliani, é preciso reforçar o meio-campo com ao menos dois bons jogadores e, se possível, um centroavante – dois se o sueco for mesmo para a Inglaterra. Bons nomes não faltam no mercado. Muita gente boa está querendo mudar de ares e, apesar das muitas críticas que costumo fazer ao Galliani, tenho que reconhecer que na hora de negociar o cara é craque.

    Basta dizer que o Milan pagou pela dupla Ibrahimović&Robinho praticamente o mesmo que a Juventus gastou com o trio Pepe, Matri&Martinez.

Os comentários estão desativados.