Comentando a seleção: Vargas

Na minha seleção de hoje na Europa – cuja premissa era: quem eu contrataria se  fosse milionário e comprasse um time de futebol – decidi alterar o lateral-esquerdo. Eu tinha pensado em alterar também o zagueiro – contrataria Douglas, do Twente, em vez de Mèxès, mas o francês ainda parece um grande negócio. Na lateral, no entanto, acho que o peruano [wikipedia] Juan Manuel Vargas [/wikipedia]é o que prefiro.

Muita gente questiona Vargas pela irregularidade da fiorentina. Depois de dua sboas temporadas no Catania, Vargas desembarcouem Florença num momento em que o time toscano comprava adoidado. Ele paga muito mais pelo fato da Fiorentina ter uma ânsia de evolução imediata do que pelo seu futebol. No Artemio Franchi, ele joga com um 4-2-3-1 frágil pelo uso de um meia e um volante no meio praticamente quatro atacantes. Vargas precisaria de mais um interditor no meio. De Silvestri, na lateral oposta, é um defensor de qualidade, mas o time fica muito exposto porque Vargas tem vocação ofensiva.

No Nottingham Forest bicampeão europeu de Brian Clough, um jogador de faixa esquerda – John Robertson – era o iniciador das jogadas ofensivas. O time aguardava a sua visão para se mover rumo ao ataque. Ele começara no meio-campo, mas passoua  ocupar o que no futebol moderno seria a posição de Ronaldinho ou Ribèry. Vejo Vargas como o cara com qualidade de fazer essa mexida: além de ir à linha de fundo, tem grande inteligência e bom passe. Na Fiorentina ele está limitado: precisa defender num time que não defende – justamente uma função na qual não é excelente.

Qual seria a saída? Um exemplo, na própria Fiorentina. Juntamente a Montolivo, Prandelli devria, ao meu ver, escalar mais dois caras de mais consistência no meio-campo. Não sei quem poderia fazer essa função no elenco atual. os mais próximos seriam Gobbi e Donadel, mas num mundo ideal, a Fiore venderia alguns meia-bocas (tipo Santana) e buscaria Flamini e Hernanes, digamos – mas este último jogando de volante, sua posição ideal. Vargas ganharia a liberdade que Antonini tem no Milan de Leonardo e no ataque, ao invés de dois pontas abertos, poderia jogar com Jovetic atrás de dois atacantes. Felipe comporia a defesa pela esquerda e Vargas seria um pêndulo entre ataque e defesa.

Tenho certeza que daria certo. Aliás, Rafa Benítez, Manuel Pellegrini, Leonardo e mais uma meia dúzia de técnicos, também tem. Vargas é, com Jovetic, o jogador mais solicitado da Fiorentina hoje. Sua passagem para um grande time – se ele não for um cabeça gorda – o colocará na elite do futebol. Num time com Daniel Alves, Vargas daria um empuxo à defesa que proporcionaria um jogo muito moderno, cheio de pressing e com praticamente dois meias jogando atrás. Uma coisa curiosa: até 2006, Vargas estava no Colón, ao alcance de um clube brasileiro. Por que esse cara não passou por aqui? Não se sabe. Ou melhor: se sabe: os dirigentes conhecem tanto futebol internacional quanto um rato-toupeira em coma.

5 respostas para “Comentando a seleção: Vargas”

  1. Para o Milan,s eria melhor o Drenthe porque é menos famoso e mais barato. Como jogador, o Vargas é mais completo. Alguém há de sugerir o Carleto…abs

  2. Boni, menos. O Guly era um lixo, verdade, mas o jogador predileto do Zaccheroni era um tal de Leonardo… abs

  3. acho que é a hora pra ele partir pra uma grande equipe, tem muito potencial, gosto muito do futebol dele, seria um ótimo reforço pra qualquer equipe…

  4. Está demorando muito para o Vargas jogar num big. É complexo falar de mercado, ha 10 anos atrás o Guly era titular no Milan…era sofrivel vê-lo…acho que foi o único estrangeiro estimado pelo Zaccheroni.

  5. Como o próprio P. Corvino já declarou que a Fiorentina provavelmente deve sofrer algumas baixas em função da ausência quase certa de um torneio europeu na próxima temporada – e, principalmente, da grana advinda disso -, estou bastante tentado a “contratar” o peruano para o meu Milan 10/11 no fantasy.

    Minha dúvida hoje está entre ele e o Drenthe para o lado esquerdo do meio-campo. O holandês hoje leva vantagem pelo fato de acreditar que ele “casaria” melhor com o Pirlo e, com ele por ali, Ronaldinho poderia jogar sem tanta responsabilidade na marcação.

    Mas como nessa equação entra também a figura do lateral esquerdo, só vou bater esse martelo no final de maio.

    PS: Se ele estava escondido na Argentina, o L. Barrios, que está muito bem na Bundesliga, chegou a jogar, e bem, contra equipe brasileira aqui em SP pela Libertadores. E foi para a Alemanha por uma soma que diria não exatamente proibitiva para os nossos clubes…

Os comentários estão desativados.