Comentando a seleção: Fàbregas

Há algumas semanas fiz um post sobre qual seria a seleção dos jogadores que eu compraria se tivesse muito dinheiro e um time, visando o futuro. Ou seja, sem buscar nenhum medalhão “incomprável”, exceções feitas às posições onde eu acho que não há disputa mesmo – Fàbregas e Daniel Alves.  Farei então o comentário sobre cada um começando pelo catalão.

Cesc Fàbregas entra na categoria dos “sem comparação” por uma razão simples. Apesar de eu achá-lo tão bom quanto os melhores do mundo (Kaká e Gerrard), ele ainda tem um valor dentro da realidade porque jamais venceu um título relevante. Sim, ele foi campeão europeu, mas como reserva.  Aliás, como um jogador com a sua qualidade pode ser reserva? No caso da Espanha, na Eurocopa, a fase de Xavi e Iniesta no Barça – entrosados – os garantia na seleção. Logo, Luis Aragonés precisava de um cão de guarda, que era Marcos Senna. E assim, ironia do destino, Marcos Senna passou de reserva do Corinthians a titular tendo como banco um dos melhores meias do mundo.

Chamar Fàbregas de “meia” é uma “meia” verdade. Sua melhor característica é justamente a visão de jogo e técnica que ele combina com um físico capaz de atuar como meio-campista central (não é o que se chama no Brasil de volante). O espanhol fazia uma dupla perfeita com Flamini porque o francês dava consistência e o espanhol técnica no meio-campo do Arsenal (uma prova disso foi o banho que os ‘Gunners’ deram no Milan na LC de dois anos atrás).

Se Kaká fosse recuado para jogar de segundo volante (ou meio-campista central no 4-4-2 em linha, como queiram), seria como o espanhol. O que não é certo é se o brasileiro teria a mesma capacidade de marcação de Cesc, que atua por ali há muito mais tempo. Na teoria, o catalão é o segundo homem do meio-campo, mas é ele o que mais dá assistências no time – e no campeonato: 15.  Além disso, mais 13 gols. Impressionante. Seria fácil a primeira contratação – junto com Daniel Alves.

9 respostas para “Comentando a seleção: Fàbregas”

  1. O Lucas não tem estofo para jogar na PL, pelo menos não ainda. Ele é bom, mas não o suficiente.

  2. Bom, se você quer encerrar a discussão ok. E em uma coisa concordo com vc, sem o Xabi Alonso, o Liverpool sumiu, apesar de que quando o Aquilani se adaptar a Inglaterra e se livrar dos problemas físicos tenho certeza que vai preencher a lacuna, a saida de bola do lpool morreu com lucas e mascherano.

  3. Caro, opinião é opinião. Mas no Liverpool, Xabi era o primeiro volante (se houvesse um termo antes de “primeiro”, caberia). Ele é lento para o jogo do Fàbregas. Sem ele, o Liverpool sumiu. Mascherano é bom, mas joga mais adiantado e se aproxima mais do ataque. De qualquer forma, acho que vc tem direito à sua opinião. abs

  4. Ressucitando coisa velha, percebo que vc não entendeu ou está achando que estou fazendo defesa do Senna, não estou, estou fazendo defesa da posição dele, que está sendo perigosamente prescindida, e eu até acho o Albelda melhor que o Senna, que só foi titular pq o mesmo brigou com o Koeman no Valencia e ficou uma temporada afastado, o Xabi não serve pra jogar de volante na contenção, serve pra jogar na posição do Fábregas.

  5. Tuiuan, acho o Senna bom jogador, não mais que isso, embora admita que ele fez uma grandíssima Euro 2008 mesmo. O Xabi, para mim, é melhor. Mas opinião e bunda, cada um tem uma, né? abs

  6. Cassiano, não é ufanismo, implicância com o Alonso ou proteção do Senna não, gosto do Xabi, ele jogou muito no meu clube preferido da Europa, o Liverpool. Expliquei no comentário, não sei se você notou, que o Senna em si não é necessário, é necessário um volante mais defensivo (e nem Alonso nem Busquets não se encaixam nisso), para fazer o serviço sujo, algo que Mascherano ou Sissoko faziam nos tempos de 4-2-3-1 do Liverpool, características do Albelda, do Marchena e também do Marcos Senna, assim como na Euro Senna acabou, mesmo sendo mais limitado que todos os outros jogadores da espanha(exceto o Capdevila talvez), na condição de essencial, a Espanha pode se deparar com o dilema de ter de dar mais peso ao seu meio-de-campo, especialmente nas fases mais agudas da copa, e ai a pressão midiática pode ter de fazer Del Bosque sacar do time Fábregas e Xavi ao invés de Alonso. Assim como fez a retirada da titularidade de Raúl na Copa e a sua não convocação à Euro quase um trauma

  7. Não vamos nos ufanar: o Xabi Alonso é mais jogador que o Marcos Senna, especialmente no momento. abs

  8. Pior de tudo e ver que a pressão midática madridista está arrastando Xabi Alonso para a titularidade forçada, sacrificando Marcos Senna (não precisa ser ele, pode ser Albelda ou Marchena) e causando um desequilibrio tático na espanha.

  9. excelente jogador, e ainda jovem, acho que terá uma brilhante carreira no futebol, agora você levantou uma questão interessante, essa posição que o Fabregas atua, de MC, daria pra identificar no futebol brasileiro alguém que jogue nessa posição? seria o caso do Hernanes?

Os comentários estão desativados.