Voltas

Voltaram os estaduais. Realmente lamento por isso. Torcedores (na mídia e nas arquibancadas) de clubes que se distanciam cada vez mais do rótulo de “Grandes” do futebol brasileiro voltarão a se inebriar com vitórias sobre Caldenses, Duques de Caxias e Sertãozinhos e o ‘hype’ para o Brasileiro se estebelecerá. Daí, os que querem dizer o que tem de ser dito, passamos por “bairristas”, “Torcedores”, “maus profissionais”, “filhos da p…” e por aí vai. Ninguém consegue ligar os pontos e ver que tal time não ganha um título há vinte anos, ou que esse outro só contrata refugos emprestados por um empresário “x”. Não.

Leio uma nota na qual o lateral de um time “grande” “celebra” a grande fase do time. Sim, porque venceu o Atlético Moluscos por 1 a 0, gol de pênalti, é uma “grande fase”. E isso também vale para os times que são “Grandes” mesmo (ou seja, têm recursos para contratar jogadores melhores e são geridos por cartolas menos corruptos e incompetentes”. Os Estaduais são uma farsa – a farsa que convenceu que Keirrison já estava pronto para a Seleção, que faz com que acredite-se que um campeão estadual é favorito ao título, e principalmente, a farsa que mantém as federações estaduais – estruturas anacrônicas, inúteis e falidas na maioria dos casos, que são em última instância, a arma para Ricardo Teixeira ficar no poder da CBF. O ano do futebol no Brasil começou. Que pena que mais uma vez, com esses torneios patéticos.

4 respostas para “Voltas”

  1. Michel: mal necessário para quem? Se o Atlético ou qualquer outro clube parar de ganhar e perder o status de grande, é algo do futebol. Não existem “12 grandes” no Brasil. Se alguns times iriam deixar de existir por falta de dinheiro, o diabo que os carregue. De que serve um clube como o Barueri? Ou como o Brasiliense? Os estaduais servem para uma coisa: manter o establishement da CBF, leia-se Ricardo Teixeira. Serve para o Kléber acabar com o São Borja e alguém sugerir que ele é o cara certo para a Seleção. Servem para fazer com que a Rede Globo tenha programação nas férias do Brasileiro. Claro que os dirigentes dos clubes “grandes” percebem isso. Mas pergunte a São Paulo, Cruzeiro e Palmeiras se eles gostam de jogar com Sertãozinho e Tupi. Abs

  2. Essa do Mancini no Milan me pegou de surpresa. Pra Inter emprestar o cara para seu maior rival e grande concorrente ao scudetto, só mesmo porque imagina que ele não vai acrescentar muito ao rossonero.
    Particularmente, acho que ele não será titular. A não ser que Leonardo pense em readaptá-lo a lateral. O que eu acho difícil.

    Abs

  3. Olá Cassiano,

    Assim como você, já fui contra os Estaduais. Hoje, os considero um mal necessário. Explico:
    Apesar de todos os problemas (anacronismo, inchamento, etc.) os Estaduais ainda são uma fonte de renda muito maior do que, por exemplo, amistosos. Mesmo que um dia nosso calendário seja adequado ao europeu, dificilmente torneios amistosos pelo mundo poderiam suprir financeiramente o fim desses torneios. Além disso, existe o componente tradição. Imagine friamente o Atlético Mineiro que desde 1971 não conquista nada relevante. Se acabasse campeonato mineiro o Galo perderia, no mínimo, o questionável status de time grande no Brasil. Sua torcida que já vem diminuindo ficaria ainda menor.
    Não tenha dúvidas de que os dirigentes enxergam isso e temem perder esse amparo.

    Abraços.

  4. Os estaduais servem para você apresentar o futebol a filhos, sobrinhos etc em “clássicos” do tipo São Paulo x Sertãozinho, pois a chance de acontecer alguma bobagem protagonizada por uma torcida organizada é bem remota. Meu sobrinho trilhou esse caminho faz um tempo e, para minha infelicidade, virou palmeirense.

    Pelo menos o moleque torce também para o Milan.

    E concordo com esse teu pensamento postado no twitter. Apesar de não ser craque, longe disso!, Mancini provavelmente vai dar certo no Milan. A concorrência não é das maiores, o cara vai jogar e um esquema que é igual ao do Spaletti etc.

Os comentários estão desativados.