Vagabundagem premiada

O retorno iminente de Robinho ao Brasil (provavelmente ao Santos) é um indício forte que a tendência ditada por Adriano para voltar ao Brasil. Joga-se o profissionalismo às favas, começa-se a fazer corpo mole e circuito night e de repente, um clube brasileiro apresenta-se para “ajudar” o jogador a reaver a forma. Grande coincidência. Apesar de ter um contrato em vigor, os jogadores se acham no direito de ir e vir quando quiserem. Contudo, quando se machucam e ficam vários meses parados, recebendo seus salários gordos bem gostoso, não me lembro de nenhum deles tentar rescindir o vínculo.

Os brasileiros cuja participação na Copa do Mundo está em risco estão todos voltando. Adriano, Vagner Love, Alex Silva, Robinho, Anderson, Cicinho, Mancini. Todos esses e alguns outros estão sedentos por seis meses de futebol no Brasil para evitar o esquecimento de Dunga. Nem todos eles conseguirão algo. Além de Adriano  e Robinho, é difícil imaginar outro sucesso. E se houver, é o de Love, por causa do Flamengo (se Ronaldo estivesse com menos de 100 kg, também iria, pelo Corinthians)

Dos citados, poucos têm futebol para um grande europeu. Adriano e Robinho, eu diria. Mas o primeiro, se terinasse duro e o segundo, se tomasse ciência de que ao contrário do que muitos colegas diziam, não é Pelé. Aliás, tem menos a ver com Pelé do que pelo menos duas dúzias de outros jogadores. Voltando ao Brasil, Robinho terá novamente a impressão de ser um deus da bola. Mas não é – e não por falta de talento.

15 respostas para “Vagabundagem premiada”

  1. Sim. Já tinha lido sobre o boicote sofrido por Didi. Só não entendi o “jogavam na posição”. Aliás, Puskas chegou a dizer que uma das razões para o seu sucesso no Real Madrid foi identificar logo quem mandava no time. E, ao que tudo indica, Renato Gaúcho teve problema semelhante com Giannini na Roma.

    Abs.

  2. Sim. Já tinha lido sobre o boicote sofrido por Didi. Só não entendi o “jogavam na posição”. Aliás, Puskas chegou a dizer que uma das razões para o seu sucesso no Real Madrid foi identificar logo quem mandava no time. E, ao que tudo indica, Renato Gaúcho teve problema semelhante com Giannini na Roma.

    Abs.

  3. Michel, o Di Stefano determinou aos colegas que não era para passar a bolça ao Didi. Naquela época, o futebol era muito mais fluido. O argentino jogava no lugar que quisesse no campo e não queria que o Didi fosse a estrela da companhia. abs

  4. Mas Cassiano, o Di Stéfano não era um atacante que buscava jogo e o Didi não era um ‘camisa 8’?
    Outro que deixei de fora da lista foi Edmundo. Poderia ter feito mais, só que preferiu pular carnaval.
    Quanto ao fato de Robinho não dominar os chutes de canhota, discordo em parte do Gílson. Ele não domina bem o fundamento chute. O que é pior.

  5. Esqueceram do inicio arrasador dele no ManCity em 2008/09? Ele está voltando de lesão, precisa de rotina..
    Reitero que acho Robinho mimado e enfiaram na cabeça dele que ele é mais do que na realidade é (a imprensa ‘miltoneviana’ e global). Mas nesse time do City ele roubaria a posição do Bellamy após se recuperar totalmente e pegar ritmo. E no Real Madrid ele foi bem com Van Nistelrooy e foi considerado um dos destaques em 2006/07. Alem disso, botou Robben no banco em 2007/08. E quando o holandes jogava, era deslocado como meia aberto pela direita…
    Também nao me simpatizo com o ‘Pelezinho’, mas temos que reconhecer sua qualidade. Nos dois jogos contra a Italia em 2009 ele estraçalhou. Zambrotta que o diga..

  6. Entre os citados, Didi e Andrade têm boas “desculpas”: jogavam na posição de um dono do time (Di Stefano no Real e Giannini, se não me engano, na Roma). Robinho era reserva de Bellamy, Santa Cruz ou qualquer coisa que tivesse menos de 40 anos e andasse no City.

  7. Entre os citados, Didi e Andrade têm boas “desculpas”: jogavam na posição de um dono do time (Di Stefano no Real e Giannini, se não me engano, na Roma). Robinho era reserva de Bellamy, Santa Cruz ou qualquer coisa que tivesse menos de 40 anos e andasse no City.

  8. A história do Robinho tem muitas características únicas. A primeira delas é o fato dele acreditar, e muita gente aqui, que não dominando várias técnicas básicas do futebol, como chute de pé esquerdo e cabeceio, por exemplo, ele poderia ser considerado o melhor jogador do mundo.

    Habilidade é importante, mas não é tudo no futebol. Tevez e Kaká não possuem nem metade da habilidade do ex-merengue. E possuem carreiras de sucesso no velho continente.

    Talvez isso ajude a explicar em parte o fato de sua carreira na Europa não ter sido tão bem sucedida assim.

    Outra coisa que chamam a atenção: até outro dia as especulações eram apenas acerca do real valor da dívida do Santos. R$ 20 milhões? R$ 80 milhões? R$ 200 milhões? £ 716,5 mi, como o Manchester United? Agora ela não é obstáculo para a vinda do Robinho… Os patrocinadores vão bancar tudo?

    E, para finalizar, resta ver se no plano técnico é interessante ficar com um jogador que vai embora quando o Brasileirão não tiver atingido sequer a metade. Como o Santos vai fazer para repor essa perda?

  9. Apesar de estar no alvo agora, Robinho não foi o primeiro brasileiro tido como grande jogador que ‘flopou’ na Europa. De memória, cito Didi, Roberto Dinamite, Sócrates, Andrade, Renato Gaúcho e Muller. Todos talentosos, mas que, por uma razão ou outra, fracassaram em gramados europeus.
    E, pelo que andei lendo, o City não lamenta tanto assim emprestar Robinho e economizar metade do seu salário.
    Pior vai ser vê-lo jogando bem por aqui de novo e ler colunas dizendo que o bom momento se deve ao baixo nível do futebol brasileiro.
    Mas estou me preparando para tal raciocínio…

  10. Apesar de estar no alvo agora, Robinho não foi o primeiro brasileiro tido como grande jogador que ‘flopou’ na Europa. De memória, cito Didi, Roberto Dinamite, Sócrates, Andrade, Renato Gaúcho e Muller. Todos talentosos, mas que, por uma razão ou outra, fracassaram em gramados europeus.
    E, pelo que andei lendo, o City não lamenta tanto assim emprestar Robinho e economizar metade do seu salário.
    Pior vai ser vê-lo jogando bem por aqui de novo e ler colunas dizendo que o bom momento se deve ao baixo nível do futebol brasileiro.
    Mas estou me preparando para tal raciocínio…

  11. Finalmente alguém pra botar o dedo na ferida. Porque o oba-oba em torno da “volta dos craques” já se tornou um caso de insanidade mental coletiva.

  12. robinho eh apenas mais um a queimar o nosso filme na europa. quem em sa consciencia abriria mao de quase 200 mil libras por semana para voltar ao brasil??

  13. Robinho é o pior exemplo de profissional possivel, fez aquele caso ridiculo pra sair do Santos e ser negociado com o Real, chegando lá, deu piti por ser banco, o que era totalmente justificado, e começou a forçar a sua saída, pra em tese ir pro Chelsea, só que ele acabou indo pro City, e lá que ele perdeu o ralo profissionalismo que tinha, seria uma vergonha para a classe de jogadores de futebol, mas como esse comportamento dele é normal entre os brasileiros, a mídia abraçará o retorno do injustiçado menino Robson.

  14. Concordo plenamente, e não bastasse isso tudo, ainda temo que aguentar a impresa fanfarrona dizendo que eles estão voltando por amor à camisa dos clubes por quem sempre torceram.

Os comentários estão desativados.