O maior do Brasil

Ontem, ao chegar em casa, pude ver o finalzinho do Tá na Área, apresentado pelo ótimo Marcelo Barreto. A bola da vez era o clamor popular pelo futebol do sérvio Dejan Petkovic, autor dos dois gols contra o Palmeiras no domingo. As torcidas – a do Flamengo em especial – aclamavam o sérvio como um cracaço, o “melhor jogador do futebol brasileiro”.

Torcidas à parte, mantenhamos a calma: Petkovic é o “melhor jogador do futebol brasileiro”? O mesmo Petkovic que flopou no Santos, Goiás e Atlético-MG? Será que estamos falando do mesmo jogador ou, por desinformação, um novo balcânico baixou no Rio e eu, culpadamente, não estou sabendo? Continue lendo “O maior do Brasil”

Portugal celebra…

…mas não sei se devia.  Os patrícios comemoram ter pegado os bósnios no rumo à Copa do Mundo. A Bósnia é, para mim, o mais ardiloso de todos os possíveis rivais que existiam nos playoffs das Eliminatórias da Copa do Mundo. Eu escrevi há pouco sobre a Bósnia e tenho minhas dúvidas se os portugueses são tão barbada assim. Apesar de uma defesa ingênua, os balcânicos têm um ataque de primeiríssima e a defesa portuguesa está bem perto de ser uma alegria da garotada. A Irlanda, claro, tem a pior tarefa. Grécia x Ucrânia dividem chances e a Rússia deve passar pela Eslovênia.

E quem ganha o Brasileiro é…

Em tese a rodada aumentou o bolo de candidatos com chance de vencer o título. O São Paulo cedeu ao Galo e Inter na tabela e ainda tem o Flamengo na sua cola. Mudou o aspecto da luta pelo título? Alguém passou a ter mais ou menos chances?

Em tese, sim. Para Flamengo, Inter e Galo, que tiraram diferença em relação ao líder, é inegável que a matemática ficou mais amistosa. A dificuldade é que a matemática não vale só para o atual momento do campeonato e para todo ele e assim, ter uma boa fase é fácil (na verdade, praticamente todos os times têm uma no decorrer do torneio). Duro é sustentá-la. Continue lendo “E quem ganha o Brasileiro é…”

Toalha no campo

O Atlético-MG não será campeão brasileiro. A observação não pretende nenhum demérito. Pela primeira vez nesta década, o Galo montou um grupo de trabalho (incluindo técnico, preparação física, gerência de futebol, elenco, etc) que tem a ver com um clube que pretende assumir um espaço de protagonista. Ainda assim, não é um time pronto para ser campeão. Continue lendo “Toalha no campo”

Maradona, o ex

Acabei de ler o blog de Juca Kfouri na Folha, onde ele critica Maradona pelo seu comportamento grosseiro com a imprensa depois da classificação para a Copa do Mundo. Mas acho que Juca foi gentil demais.

Diego Maradona pode ser o maior jogador argentino de todos os tempos, mas é pouquíssimo além disso. Há uma simpatia que ele causa junto a parte da imprensa numa suposta contraposição entre sua “rebeldia” e o alinhamento sistemático de Pelé, seu grande “rival” com o establishment do futebol. Continue lendo “Maradona, o ex”

Será que ele quer mesmo?

Nestes últimos momentos de Eliminatórias para a Copa de 2010, quando estamos gostosamente classificados e assistindo o calvário argentino, discussões de detalhes vêm à tona. Por exemplo: Fábio Aurélio merece uma chance na Seleção?  Diego merece mais oportunidades? E finalmente, a pergunta mais “pop”: Dunga deve convocar Ronaldo? A resposta parece vir do próprio Ronaldo. E é não. Continue lendo “Será que ele quer mesmo?”