O Nationalelf de Löw: quando a coisa fica feia – parte II

O que chama a atenção na equipe alemã é a forma como o time marca a saída de bola do adversário. Atacantes e meias preenchem os espaços cercando o jogador adversário que tem a posse da bola. Volantes ou zagueiros saem no primeiro combate, para o desarme certo.

Um sistema defensivo depende de entrosamento, algo supostamente difícil de conseguir, uma vez que os jogadores das seleções não jogam frequentemente. Plasticamente as ações às vezes se assemelham à coreografia de um ballet.

Continue lendo “O Nationalelf de Löw: quando a coisa fica feia – parte II”

O peso do mundo

A desgraça futebolística que se abateu sobre a Itália certamente é o fato mais relevante do futebol mundial nestes dias anteriores à Copa. Exceção feita à Inglaterra, onde a presença de Rooney é rainha absoluta das manchetes de jornais, toda a Europa comenta ou faz projeções baseadas em superstição onde a seleção de Marcello Lippi e a ‘Azzurra’ campeã mundial de 1982 são comparadas. Continue lendo “O peso do mundo”