Quando vi que Robinho (de cara feia no banco) estava fora para dar lugar a Nilmar, me animei. Mais ainda quando soube que Daniel Alves jogaria. Tudo em vão. Uma desilusão. Era o que eu temia. Sem Kaká, o Brasil não existe – e sem Elano, quem diria, tudo piora também (é o coadjuvante mais fundamental que já vi). Quando seu time tem Lúcio de armador, é porque a coisa está feia.

Ler mais