Tag: cagliari (Page 1 of 4)

A Série A do Cagliari

Posição final: 14º lugar.
Em agosto estará na…Série A, sem sobressaltos.

Ler mais

Apresentação da temporada – Cagliari

O Cagliari tem um dos presidentes que lutam pelo posto de “Matraca de Ouro” na Itália. Massimo Cellino, um empresário do setor imobiliário (mas não só) que vive em Miami demite técnicos quando estes não adotam suas escalações e nessas, ele perdeu um dos melhores treinadores da nova geração italiana, Massimiliano Allegri, que foi para o Milan, onde terá sua prova de fogo.

Ler mais

Tudo Muda em Firenze

Numa entrevista hoje na Gazzetta Dello Sport, o presidente da Fiorentina, Diego Della Valle, botou pressão no técnico [wikipedia]Cesare Prandelli[/wikipedia]. “Que ele diga à torcida que não vai para a Juventus. É o que a torcida quer no ovo de páscoa”, disse o cartola. Palavras miradas.

Ler mais

Sucesso antipático

Na Itália, se diz que os ‘tifosi’ (‘torcedores’, em italiano) do país se dividem em duas categorias: os juventinos e os anti-Juventus. A antipatia generalizada que a ‘Vecchia Signora’ desperta é o preço que ela pagou por tantos anos de conquistas e sucessos que de vez em quando também contaram com a ajuda da arbitragem. Só que o que acontece quando o time mais odiado do país é rebaixado e volta à divisão de elite visivelmente redimensionado? Bem, é necessário arrumar alguém mais para odiar. Sempre é.

O trono da antipatia juventina na Série A foi herdado por quem agora está vencendo. E quem está vencendo é a Inter. A rumo de um tricampeonato (mesmo que com um título ganho no tapetão e outro sem a Juventus) que não acontece na Itália desde 1994 e só ocorreu em seis ocasiões na história, a Inter é o alvo da antipatia e das reclamações de todo mundo.

Certamente não ajudou a imagem interista uma entrevista dada pelo técnico Roberto Mancini na qual o técnico admitiu ser arrogante, criticou quem questiona a lisura das arbitragens, disse que jogava tanto quanto Ibrahimovic joga hoje, mas que não teve sucesso na ‘Azzurra’ porque não jogava no Milan. Entre outros.

A superioridade interista certamente não deve ser questionada pelos erros de arbitragem. O time de Mancini é muito mais sólido do que qualquer outro concorrente e mesmo na temporada que vem o pretendente ao título terá de suar sangue para tirar a diferença técnica em relação aos interistas.

Contudo, Mancini negar os erros de arbitragem só solidificam a sua imagem de arrogante (“Se sou arrogante? Sou, porque não tenho medo de incomodar ninguém”). A Inter vence e só isso já seria o suficiente para fazer dela o time a ser odiado. Mais ainda com erros incontestáveis que aconteceram em pelo menos oito jogos deste campeonato.

Um sinal sólido de que a arbitragem tem ajudado (ainda que involuntariamente) o time de Appiano Gentile é a quantidade de críticos de diferentes frontes. Curiosamente, o único time que aparentemente não aponta o dedo para os campeões é o rival Milan. Isso, entretanto, se deve muito mais à distância quilométrica entre os dois times na tabela do que propriamente a um juízo de valor.

Depois de um longo jejum de quase vinte anos sem usar o ‘tricolore’ no peito, a Inter se desabituou á condição de clube realmente grande. Os troféus vêm acompanhados de inimizades, inveja, críticas e ironia por parte dos rivais. As reclamações seguidas da líder ainda são mostras de um grupo que não se habituou ao sucesso, porque as acusações e pauladas são parte do pacote de quem vence mais.

Ladrão que rouba ladrão…

Quem poderia ptofetizar há alguns anos que a Juventus terminaria uma partida contra em Reggio Calábria berrando apopleticamente contra os erros de arbitragem que lhe custaram a derrota diante da gigantesca…Reggina?

Mas é isso mesmo. A Juventus se sente prejudicada pelos árbitros e chega a dizer que eles ainda estão apitando sob a égide do escândalo do ‘Calciocaos’. “Não podemos continuar pagando por algo que já nos custou uma severa punição”, declarou o sério presidente do clube, Giovanni Cobolli Gigli. “Que amargura. Estes episódios são a ponta de um iceberg”, bateu o técnico Claudio Ranieri, sugerindo que algo ‘maior’ está movendo a influência sobre a arbitragem.

O “iceberg” naturalmente seria um complô para dar o troféu à Inter e os “episódios” aos quais o treinador se refere são quatro lances de pênalti: um, marcado, contra a Juventus e três, não marcados, a favor dos piemonteses. Em pelo menos um deles, um lance sobre o malinês Sissokho, a Juventus tinha direito de chiar.

Acreditar em uma Inter malévola que articula o poder para garantir mais um título é um tanto quanto infantil – embora de, depois do ‘Calciocaos’, seja possível desconfiar até de uma ovelha. A Juventus tem sido prejudicada por erros de arbitragem, sim, mas o transtorno em via Galileo Ferraris é muito mais causado por uma indignação de quem jamais tinha passado pelo papel de vítima antes. Para as outras torcidas italianas, os erros contra a Juve são até mesmo merecidos. Afinal, ladrão que rouba ladrão…

O pós-Ronaldo do Milan

Parece fora de qualquer dúvida que o Milan não terá Ronaldo por pelo menos a maioria da próxima temporada – isso na melhor hipótese. Assim, com um Inzaghi beirando os 35 anos, um Gilardino ainda inseguro e um Pato adolescente, o Milan já abriu as cartas e deixou claro: em junho, o clube contratará um atacante de peso.

Tirando as piadinhas de que atacante de peso era Ronaldo, a direção ‘rossonera’ sabe que terá de abrir o bolso para poder levar um nome famoso a San Siro, coisa que não tem acontecido nos últimos anos. Sim, Ronaldo foi uma contratação megafamosa, mas veio a um custo baixo por causa das lesões e idade. Desta vez, os cofres de via Turati terão de buscar um jogador relativamente jovem e que possa ficar em Milanello por muitos anos, como é a política do Milan.

A última dessas contratações foi Alberto Gilardino, que aportou em Milão com 24 anos, por €24 milhões. Sim, o Milan levou Pato à Lombardia, mas mesmo que por uma cifra quase igual à de ‘Gila’, ainda era considerado uma aposta. Se ele está ganhando seu espaço, é porque demonstrou uma maturidade maior do que a normal.

Alguns jogadores já são dados como ‘preferenciais’ numa possível contratação pelo Milan porque têm o perfil desejado por Carlo Ancelotti e porque são ‘cortejados’ de alguma forma pelo clube há tempos. Além do Ronaldinho, que não é mais para o Barcelona o que já foi um dia, o também brasileiro Amauri, do Palermo e Didier Drogba, do Chelsea, surgem na pole-position, por causa da combinação eficiência-idade-experiência internacional-qualidade.

Como soluções ‘alternativas’, estariam o jovem francês Benzema, do Lyon, (20 anos, avaliado em cerca de €50 milhões), o ucraniano Shevchenko (herói milanista que está no Chelsea) e o togolês Adebayor, do Arsenal. Contra o primeiro, pesa a pouca idade e o preço irreal (com Pato e Gilardino, seria conveniente outro atacante experiente); contra o segundo, a exigência que o Chelsea faria para liberá-lo e uma certa oposição de parte da torcida (que acha que ele “traiu” o clube ao ir para Londres); contra o terceiro, pesa a suspeita sobre a sua capacidade de carregar um ataque do porte do milanista.

A contratação de um quarto atacante faria com que a revelação Paloschi fosse emprestado para um time menor, para ganhar experiência. O ‘prata-da-casa’ é visto com grande entusiasmo em Milão, mas há um receio em “queimá-lo” com as pressões que pairam sobre o ataque do clube.

Além da questão do atacante (cuja contratação já é dada como certa mesmo por Adriano Galliani, vice-presidente do clube), há uma expectativa quanto à chegada de um ou dois defensores e um goleiro. O mítico Maldini pendurará as chuteiras e não existe exatamente uma grande segurança em torno de nomes como Simic e Bonera. Além disso, Cafu e Serginho também têm seu futuro nebuloso. No gol, Dida e Kalac parecem uma aposta arriscada para um time de proporções mundiais. Só que a dupla já parecia uma aposta perigosa no fim do campeonato passado, e nem assim o clube ‘rossonero’ resolveu abrir o cofre.

Jornalismo

Depois da coluna da última semana, na qual eu escrevi sobre a leviandade de parte da imprensa esportiva na “avaliação” da situação física de Ronaldo, naturalmente, recebi diversos e-mails com questionamentos do tipo: “Aí, seu trouxa! E agora que o Ronaldo mesmo disse que pode parar? Quem é que estava exagerando? Heeeeeeeeein?”

Aos zebus que, num rompante de necessidade de se comunicar, me enviaram mensagens menos educadas, simplesmente ofereço a vastidão do vazio no qual suas próprias vidas estão inseridas. Contudo, achei que deveria tocar no assunto e esclarecer minha posição em apreço a internautas mais civilizados e articulados.

Não, não acho que eu estava exagerando quando disse que os pseudo-jornalistas que especulavam sobre o futuro de Ronaldo estavam sendo levianos. Eles não tinham instrução (continuam não tendo), recursos nem informação para avaliar o que teria acontecido com o joelho de um paciente que estava incomunicável em outro continente. Eles tinham direito a uma opinião? Certamente. Assim como qualquer pessoa do planeta, especialmente as que sentavam-se ao redor de mesas, diante de garrafas de cerveja, em botecos, em papos descontraídos.

Como já disse uma vez o jornalista Joelmir Beting, o jornalista tem uma preferência por fazer previsões catastróficas, porque quando ele acerta, posa de profeta, mas quando erra, vê seu palpite passar batido. O caso de Ronaldo é um ótimo exemplo. Cravar que Ronaldo encerraria a carreira horas depois da lesão era uma ótima maneira de fazer sensacionalismo, especialmente se adicionando informações mentirosas ou coletadas na Internet como “fontes de dentro do Milan”. Dá audiência e de um modo geral, dá uma sensação de que o jornalista está fazendo seu trabalho.

O único modo que alguém, ao meu ver, poderia ter feito uma avaliação que vai além do ‘achismo’ imbecil ou do palpite típico dos botequins, seria um jornalista ter conseguido uma declaração de um dos médicos do Milan, que tinham examinado Ronaldo. Isso não aconteceu – e por consequência sigo certo de que a acusação de leviandade era pertinente.

Hoje, todos sabemos que realmente Ronaldo teve uma lesão seríssima e que pode encerrar sua carreira, porque ouvimos a informação de sua boca – uma das poucas pessoas aptas a dar um parecer sem sede de exposição, sensacionalismo ou irresponsabilidade. Será uma pena. Talvez eu achasse a especulação um exercício interessante se a Trivela fosse um site de apostas ou o pregão de uma bolsa de valores, mas não é o caso. Logo, dando uma adaptada na frase de Catão, “Delenda Est Decipio”.

Curtas

A vaga da Fiorentina na LC parece cada vez mais distante mesmo.

Além de ter sido ultrapassada pelo Milan na tabela, a equipe toscana perdeu Mutu por pelo menos um mês.

Sem o romeno, Prandelli perde o único homem em condições de tirar ‘coelhos da cartola’.

O romanista Ferrari não fica em Roma para a próxima temporada e todo mundo dá como certa sua passagem ao Milan.

Depois da derrota para o Cagliari, a Lazio sofreu vaias no CT de Formello.

É impressionante o futebol que Cassano está voltando a jogar.

Com a cabeça no lugar, o barese realmente tem talento para dar e vender.

E esta é a seleção da 24a rodada segundo a DataTrivela:

Storari (Cagliari); Maggio (Sampdoria), Gamberini (Fiorentina), Agostini (Cagliari) e Buscé (Empoli); Kuzmanovic (Fiorentina), Hamsik (Napoli) e Bresciano (Palermo); Giovinco (Empoli); Inzaghi (Milan) e Cassano (Sampdoria)

Juve-mercado

É janeiro. No futebol, significa: época das compras, ou uma espécie de Natal atrasado, especialmente para os torcedores daqueles times que ficaram com o departamento médico superpovoado ou onde os craques ficaram devendo e o time despencou na tabela.

Ler mais

A camisa 9 é “Azzurra”

Tá, o artilheiro do Italiano é o Francês David Trezeguet, da Juventus, e o vice-artilheiro é o sueco Ibrahimovic, da Inter. Mas a atual temporada confirma uma tendência positiva que já era notada no ano passado. Na frente, no lugar de quem faz os gols, os italianos não estão precisando de estrangeiros. Longe disso.

Ler mais

Onde fica Emerson no Milan?

A contratação do volante Emerson para o Milan já ouriçou os críticos de Carlo Ancelotti sobre uma vocação defensivista que o treinador de Reggiolo teria. Se um time tem Ambrosini, Gattuso, Brocchi e Pirlo, existe um modo de jogar também com Emerson, sem sugerir a heresia de mandar Deus-Kaká para o banco?

Ler mais

Linha de largada

Finalmente, depois de anos de escândalos, desgraças, rebaixamentos, tapetões e baixarias, começa no sábado um Italiano sem nenhum atraso além do previsto e sem ninguém chiando. Um verdadeiro milagre que só faz a felicidade de quem está com saudade do ‘Calcio’.

Ler mais

Page 1 of 4

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top