Tag: Bianchi

Juve-mercado

É janeiro. No futebol, significa: época das compras, ou uma espécie de Natal atrasado, especialmente para os torcedores daqueles times que ficaram com o departamento médico superpovoado ou onde os craques ficaram devendo e o time despencou na tabela.

Ler mais

A camisa 9 é “Azzurra”

Tá, o artilheiro do Italiano é o Francês David Trezeguet, da Juventus, e o vice-artilheiro é o sueco Ibrahimovic, da Inter. Mas a atual temporada confirma uma tendência positiva que já era notada no ano passado. Na frente, no lugar de quem faz os gols, os italianos não estão precisando de estrangeiros. Longe disso.

Ler mais

A Série A voltou. E daí?

Depois de um final de semana onde aconteceu o indizível, muita discussão e promessas de rigor na punição dos culpados acabaram no seguinte: os estádios que não cumpriam as regras de segurança não puderam receber seus torcedores. Qualquer ser humano com QI acima de traço se perguntará se o fechamento desses estádios não é nada além do mínimo óbvio, que já deveria estar vigorando desde sempre. E aí é que se percebe como a sandice tomou conta da Bota.

Ler mais

Nem tudo é tragédia

Nas últimas semanas, na Itália, não foram poucos os que tiveram a forte sensação de que a Série A desta temporada não começaria na data. Pudera. A quantidade de acusações, recursos, denúncias, escândalos e afins foi industrial. Os que apreciam o ‘calcio’ em toda a sua magnitude lamentaram que um campeonato tão disputado e cheio de bons jogadores fosse comentado pelas suas falcatruas e ‘viradas de mesa’.

Ler mais

A volta dos dérbis

O futebol italiano tem ficado mais cinzento nos últimos anos. A quantidade industrial de escândalos jogou o esporte numa espécie de limbo monitorado, onde ele não acaba, mas exibe sua agonia lenta. Passaportes, doping, apostas, possíveis compras de resultados, praticamente tudo o que poderia dar problema já virou inquérito na Itália.

Mas talvez a próxima temporada tenha ao menos uma boa notícia para a Série A. A divisão máxima do futebol italiano terá, na temporada 2005/6, clássicos nas cidades de Milão, Roma, Turim e Genova, além do derby do ‘stretto’, entre Messina e Palermo. O futebol volta a ser estrela.

O último clube a definir o seu retorno à primeira divisão foi o Torino, que perdeu para o Perugia, em casa, mas garantiu a vaga pela melhor campanha. O ‘Toro’ não é um adversário à altura da Juventus há bastante tempo, mas quando os dois piemonteses se encontram no Delle Alpi sempre há muita tensão.

Fica na Ligúria o embate que a Série A não vê há mais tempo. Genoa e Sampdoria não se enfrentam na elite desde 1995, ano da última participação do time ‘rossoblú’. A promoção do Genoa está soterrada em sombras e dúvidas com o escândalo crescente de uma possível compra de resultados. Ainda que o drama esteja ganhanddo consistência, é pouco provável (mas não impossível) que o estádio Marassi volte a ter seu clássico. E afinal, o Genoa é o primeiro campeão italiano.

Em Roma, o derby ‘capitolino’ que decidiu o título algumas temporadas atrás agora está redimensionado. A Lazio assume a posição de quem quer uma fuga tranqüila do rebaixamento, enquanto a Roma quer fazer da próxima temporada o ‘ano I’ de uma nova fase, passada a euforia e pesadelo da entrada na Bolsa.

Milão segue como o confronto mais difícil. Junto com Londres, é a única cidade européia que tem dois clubes que começam o torneio pensando em título. O estádio milanês terá uma reforma de emergência, com 200 roletas e um circuito de TV, mas a adequação definitiva do estádio dificilmente sai rápido (leia abaixo).

Além da curiosidade pela volta dos clássicos, há alguma diferença causada pela volta dos derbys? Sim, definitivamente. A capacidade dos estádios da Série A somados aumentará em cerca de 37 mil lugares com o acesso de Genoa, Empoli e Torino. Além disso, o Genoa e o ‘Toro’ são clubes que têm uma torcida maior do que Bologna, Atalanta e Brescia. Se haverá uma melhora no nível técnico, isso só saberemos em agosto.

Aparando arestas

Meio na surdina, neste final de junho, quando o futebol europeu ainda se resume à final da Copa das Confederações e à Copa Intertoto, a Itália dá um passo importante do mercado de transferências interno. Nesta segunda-feira, os dirigentes dos clubes italianos se reuniram pela última vez em Milão, no saguão de um luxuoso hotel, para tentar acertar as co-propriedades dos jogadores divididos entre dois ou mais clubes. Sem acordo, a decisão vai para “as sacolas”, onde cada clube coloca a sua proposta e quem tiver feito a melhor fica com o jogador.

A Fiorentina foi às negociações com mais interesses em jogo. Com a Juventus, tinha o defensor Chiellini, o volante Maresca e o atacante Miccoli. A Juve conseguiu comprar Chiellini de volta por € 4,3 milhões, mas Miccoli e Maresca foram para “as sacolas”. Também foram para o sistema de “concorrência” os meio-campistas Jorgensen (com a Udinese) e Obodo (com o Perugia).
A Udinese também teve participação ativa nas negociações. Acertou a compra definitiva de Di Natale, do Empoli, além de acertar a renovação de mais dois jogadores (Almirón e o brasileiro Cribari). Na Roma, meia defesa: o goleiro Curci e os zagueiros Ferronetti e Bovo voltam a Trigoria.

A Atalanta, mesmo tendo sido rebaixada, conseguiu acertar a permanência de Makinwa e Bianchi entre seus jogadores. O centroavante nigeriano é pretendido por vários clubes que desembolsarão á sociedade bergamasca euros valiosos para a temporada na Série B, enquanto o atacante italiano foi um dos melhores nomes da reta final do Cagliari.
Nenhum jogador de peso está sendo disputado, mas vários deles podem vir a ter destaque no futebol italiano, como Makinwa, Obodo e Bianchi, por exemplo. O resultado da ‘supersegunda’ é muito influente porque desenha as forças de clubes do segundo escalão. Exceção feita à negociação entre Fiorentina e Juventus, nenhum grande montante deve entrar em jogo. Mas a dureza da Série A começa aqui, ainda que sem alarde.

Projeto San Siro

Para não perder o hábito, como chega uma nova temporada, Inter e Milan voltam a discutir com o poder público de Milão a possibilidade de compra do estádio Giuseppe Meazza, também conhecido como “San Siro” (sim, é o mesmo estádio!). E também para manter tudo na regra, a prefeitura segura a rédea curta.

O famosíssimo estádio onde Milan e Inter mandam seus jogos tem muito glamour, mas tem várias deficiências. A primeira delas é no gramado, que não recebe a quantia adequada de sol e necessita de replantios de grama sistemáticos. O problema até transformou o estádio no primeiro candidato entre os ‘gigantes’ europeus a receber grama sintética.

Mas não é só: o estádio precisa implantar um novo circuito interno de TV, trocar as suas roletas, modernizar o controle de acesso dos torcedores ao estádio, entre outros. San Siro é tradicional, mas não é seguro, especialmente diante das novas investidas dos ‘hooligans’ italianos. Para reformar tudo dentro dos conformes, se gastariam mais ou menos €10 milhões imediatamente, mais uma quantia bem maior a médio prazo.

Milan e Inter têm posições diferentes em relação ao futuro do estádio. O Milan quer que a prefeitura venda San Siro ao clube, para que se disponha a fazer um investimento pesado. A idéia é transforma-lo numa arena multi-uso e poder capitalizar com o edifício durante todo o ano, e não só nos finais de semana. Já a Inter não esconde que prefere construir um estádio todo ‘nerazzurro’, sem a presença dos ‘cugini’.

A situação é cada vez mais instável. Para investir, os clubes querem um lugar que lhes pertença. Só assim, o estádio pode se adequar às exigências de segurança capazes de evitar os marginais uniformizados de fazer baderna. A posição da prefeitura em relação a San Siro é a de não vender, por se tratar de um patrimônio da cidade. Mas o que ela sabe bem é que se Inter e Milan pararem de alugar o estádio, como acontece hoje, o Giuseppe Meazza vira um elefante branco.

– A Juventus admitiu, finalmente, que Patrick Vieira é um de seus objetivos para a próxima temporada.

– O volante do Arsenal já foi ligado á Juventus em outras ocasiões.

– Fabio Capello quer montar uma dupla de meio-campistas vigorosa, com Emerson e Vieira.

– Na semana passada, o atacante da Inter, Álvaro Recoba, deu uma entrevista a um jornal do Uruguai onde externou uma opinião que promete polêmica.

– “Não temos um líder em campo. O Milan tem Maldini, nós temos Javier Zanetti”.

– Recoba se apressou em dizer que Zanetti é uma ótima pessoa, mas que o elenco interista ressentia da ausência de uma personalidade maior em campo.

– E quem há de culpa-lo pela observação?

– Nesta semana, a atenção do Milan é para assegurar Crespo e Gilardino.

– Se Crespo não se acertar com o Chelsea nos próximos sete dias, não continua em Milão.

– O Parma fez uma proposta para Zdenek Zeman assumir seu time na próxima temporada.

– O treinador tcheco é o preferido do clube por estar habituado a revelar jogadores novos e jovens, além de montar times ofensivos.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top