Tag: barcelona (Page 25 of 25)

Bola de Ouro

Deu a lógica. O atacante ucraniano Andriy Shevchenko venceu o prêmio “Ballon D’Or”, a “Bola de Ouro”, oferecida pela revista francesa “France Football” para o melhor jogador do ano em atividade na Europa. À parte as risíveis críticas sobre se o prêmio é ou não é democrático (por não levar em conta os atletas jogando na América do Sul), o ucraniano fatura a homenagem com uma justiça incontestável.

Ler mais

Preço em Euro

Não é um fenômeno peninsular. Aliás, a Juventus, único time a conseguir fazer 12 pontos nos primeiros quatro jogos da Liga dos Campeões, mantinha um ritmo que nenhum outro time na elite do continente suportava. A Juve lidera na liga mais dura do mundo, com somente um empate (até sexta passada), enquanto todos os adversários já tinham dado uma respirada em suas ligas, derrubando pontos pelo caminho.

Ler mais

0 x 0. E a Juve agradece…

A última vez que Milan e Inter se enfrentaram pelo Campeonato Italiano e ninguém fez nenhum gol foi na temporada 1989/90, quando os interistas levantaram seu último ‘scudetto’. Toda a expectativa gerada nas últimas semanas para o derby (que teve 79.775 pagantes, para mais de € 1,5 milhões de bilheteria) acabou frustrada. Não foi uma partida horrorosa, mas esteve longe de ser o espetáculo que todos queriam.

Ler mais

Adriano imperador

“Nella gioia e nel dolore, Adriano imperatore”. Estes eram os dizeres de uma faixa no campo de treinamentos da Pinetina, quando cerca de mil torcedores aguardavam Adriano voltar do Rio de Janeiro, onde fora acompanhar o enterro de seu pai. O centroavante já tinha conquistado a ‘tifoseria nerazzurra’, e de lá para cá, só fez crescer a idolatria, muito parecida com a que teve Ronaldo em seu primeiro ano de Inter.

Ler mais

Itália de Lippi?

Não havia dúvida quando Marcello Lippi foi nomeado técnico da Itália. Era p mais indicado sob todos os aspectos. E também é certo de que o viareggino não deixou de ser um grande treinador da noite para o dia. Se há alguém com condições de levar a Itália a algum destaque, esse alguém é o ex-técnico da Juventus.

Ler mais

Apresentação da Temporada 2004

Ler mais

Para entrar para a história

Se não fosse a derrota para o Boca Juniors na final da Copa Intercontinental, em Tóquio, em dezembro, a temporada do Milan até aqui teria sido rigorosamente perfeita. Carlo Ancelotti conseguiu montar um time que marca gols e se defende á beira da perfeição, e os números de sua campanha comprovam isso.

O time ‘rossonero’ tem uma escalação titular: Dida, Cafu, Nesta, Maldini e Pancaro; Pirlo, Gattuso, Kaká e Seedorf; Shevchenko e Tomasson. Pelo menos é essa a conclusão que se tira em relação ao tempo dos jogadores em campo. Talvez aí esteja boa parte do segredo do time.

“Na manga”, Ancelotti tem nomes como Ambrosini, Rui Costa, Inzaghi, Kaladze, Serginho e o “highlander” Costacurta. O curioso é que alguns dos titulares, como Tomasson e Pancaro, ganharam a vaga pelas contusões dos “titulares”, fato pelo qual o Milan ainda tem reserva técnica para a reta final das suas competições.

O técnico Carlo Ancelotti foi acusado de tudo: retranqueiro, preconceitusoso (“persegue Rivaldo”), limitado taticamente, e “muito amigo dos jogadores”. Mesmo assim, conseguiu inventar um atacante como primeiro volante (Pirlo), conciliar uma defesa sólida à italiana com um ataque ofensivo à espanhola, gerenciar um grande número de craques no banco de reservas, chegando às quartas-de-finais da Liga dos Campeões com uma confortável vantagem de sete pontos no campeonato, que faz realmente possível o inatingível objetivo da conquista das duas competições.

Um aliado de inestimável valor do Milan é o MilanLab, que até poucos meses vinha sendo contestados por alguns gênios, que entendem tanto de medicina esportiva quanto de física nuclear (ou de futebol). O fato é que, enquanto Roma, Inter e Juve têm as enfermarias mais ou menos cheias, Carlo Ancelotti só não pôde contar com Brocchi e Redondo para o jogo contra a Juventus.

No final de semana que vem, o Milan tem tudo para dar o golpe final na conquista do torneio. Se vencer o Parma no Giuseppe Meazza, os ‘rossoneri’ torcem para que a Lazio em boa forma bata a Roma, retribuindo a derrota do primeiro turno. Aí, só um milagre histórico tira o ‘scudetto’ de Milão.
Duzentos!

Roberto Baggio ganhou, neste final de semana, uma vaga num clube seletíssimo. Com seu 200º gol na Série A italiana, Baggio passou a ser o quinto jogador da história a ter feito mais gols na competição. O gol era esperado há semanas, e tanto seus companheiros e torcedores, como adversários, pararam para a plaudir aquele que é o maior jogador italiano dos últimos 20 anos.

Alguns podem argumentar que um entre Franco Baresi, Gaetano Scirea, ou Dino Zoff mereça este título. Mas é em vão. Baggio é o esportista italiano mais conhecido na Itália e no mundo. Joga com 37 anos um futebol de primeiríssima classe, e só não chegou a esta marca mais cedo porque teve diversos atritos com treinadores ao longo de sua carreira.

À frente de Baggio, só lendas. Com 216 gols, Giuseppe Meazza, craque que se notabilizou na Inter, mas também jogou por Juventus, Milan e Atalanta, e José Altafini, piracicabano que brilhou no Milan, Juve e Napoli; 225 gols é a marca de Gunnar Nordahl, maior atacante da história do Milan, que também atuou pela Roma; e Silvio Piola, com 274 gols, divididos entre Pro Vercelli, Lazio (maior atacante da história do clube), Juventus e Novara (passou pelo Torino mas não chegou a jogar).

A dificuldade que Baggio teve com os técnicos foi em decorrência de seu estilo. O craque sempre precisou de espaço e liberdade para atuar, e nem todos os seus comandantes estavam dispostos a tanto. Com Marcello Lippi, criou uma inimizade profunda; com Arrigo Sacchi, fez as pazes anos depois.

Mas a grande verdade é que a Itália ama Roberto Baggio e pede encarecidamente a ele que não pare de jogar no fim desta temporada, como ele se diz determinado. Seu tornozelo aflito por lesões é a maior causa da decisão; seus gols e jogadas espetaculares são os maiores motivos para que ele siga adiante. Tomara que ele siga adiante. Feliz definição foi a do técnico do Perugia, Serse Cosmi: “Não dá para não dar os parabéns a um jogador que marcou um número ignorante de gols. Tenho inveja de quem pôde ter a honra de treina-lo”.

Morte em Turim

Agora, nem mesmo a ‘grinta’ juventina deve bastar. A derrota para o Milan no Delle Alpi, na mesma semana da desclassificação da Liga dos Campeões, foi o golpe de misericórdia na temporada ‘bianconera’. Agora, a Juve se agarra à uma Copa Itália que, até pouco tempo, era desprezada.

O desastre juventino não começou nesta semana. Começou, provavelmente, em junho, quando Lippi e a comissão técnica decidiram antecipar o início da pré-temporada, visando poder chegar na final da Liga dos Campeões no ápice da forma, com uma prevista queda de rendimento no final de 2003. Tal decisão explica o início turbinado dos piemonteses nas primeiras rodadas, e o declínio natalício. Lippi esperava poder gerir esta queda, mas não contava com alguns obstáculos.

O primeiro deles foi o não-inserimento de Nicola Legrottaglie na sua defesa. O ex-atleta do Chievo até que começou bem, mas logo começou a sentir os efeitos de uma pubalgia que não o abandonou mais. Some-se a isso um Tudor que está há dois anos na enfermaria, um Paolo Montero visivelmente em declínio e um Ciro Ferrara que segue como o mais confiável defensor, mas já com 37 anos.

Outro entrave sério foi o capítulo Davids. O volante holandês era vital para a Juventus, e Stephan Appiah não está à sua altura. Com Davids indo para o Barcelona, o meio-campo juventino jamais teve a mesma solidez, enquanto o catalão mudou da água para o vinho, e o time do Nou Camp volta a competir por uma vaga na Liga dos Campeões.

O ataque do time também não colaborou. Del Piero teve pelo menos três contusões (a últiam delas, aos 5’ da partida contra o Deportivo), e Trezeguet jamais conseguiu nesta temporada manter uma série de partidas seguidas. Marco Di Vaio e Fabrizio Miccoli sentem-se desprestigiados, e isso é nítido. Ah, sim: Zambrotta também está KO, com uma lesão muscular.

O último problema foi mesmo um erro da diretoria. Com um elenco já curto, a Juve liberou Olivera, Fresi e Zalayeta em janeiro. Não que os três fossem tecnicamente espetaculares, mas era absolutamente necessário que viessem reforços. Falou-se muito em Fiore, Stam, Corradi, Ibrahimovic e Stankovic, mas ninguém foi apresentado como reforço. Não à toa, a Juve tem jogado todas as partidas com pelo menos três ou quatro jogadores das divisões de base.

A grande pergunta agora é se Lippi permanece como treinador para a próxima temporada. O próprio técnico já admitiu que o jogo contra o Deportivo pode ter sido o seu último pela Liga dos Campeões. É uma deixa para assumir a Itália depois do Europeu. Trappatoni só fica se vencer a competição. Herdeiros para Lippi? Vamos deixar esta especulação para mais para frente.
Como se não faltassem problemas…

A Roma sabia que não podia patinar. O Milan embalado não dá sinais de que vai fraquejar. Totti joga com dores no joelho e púbis há mais de quarenta dias justamente por isso. E aí veio o empate com a Reggina, uma das últimas colocadas do Italiano. Um balde de água gelada em todo mundo.

O time de Capello pressionou o tempo todo, mas não passou por um bem-organizado meio-campo do time calabrês. Ademais, ficou claro que Montella, recuperando-se de contusão, ainda precisa de tempo para voltar a seu melhor. Tempo este, que a Roma não tem.

Para o jogo contra a Lazio, que está numa fase melhor, O treinador Capello perdeu de uma vez só o zagueiro Zebina (terceiro cartão amarelo) e o defensor Panucci. Quando ordenado por Capello para se aquecer para entrar no jogo, simplesmente respondeu: “Você não quis me colocar desde o começo, agora quer que eu entre? Não vou”. Um atônito Capello custou a acreditar, mas sem perder a compostura, disse. “Não, fique aí. Parabéns”. Apesar de Capello afirmar que está tudo Ok, é quase certo que a história do defensor no time esteja encerrada.

Uma última observação: com o ‘scudetto’ praticamente nas mãos do Milan, o melhor que Capello poderia fazer é mandar Totti ao departamento médico, para que ele pudesse se recuperar adequadamente para a Euro 2004. Mas um palpite diz que a Roma vai arriscar, e a Itália vai pagar um preço alto por isso.

Curtas

A respeitável revista francesa “France Football” noticiou na última segunda-feira que o atacante Olivier Kapo, do Auxerre, assinou contrato com a Juventus, para a próxima temporada.

Se isso se confirmar, é sinal de que um entre Trezeguet, Miccoli e Di Vaio, deverá deixar Turim

Giuseppe Favalli, da Lazio, completou neste final de semana sua partida de nùmero 350 na Série A; 200 participações para Vincenzo Montella

Para Alessandro Costacurta, 600 jogos com a malha do Milan

Milan recordista: só a Inter de Trapattoni tinha conseguido igualar a marca de 64 pontos em 25 rodadas

Na verdade, a Inter de ‘Trap’ tinha tido a mesma campanha (20 vitórias, 4 empates e uma derrota), mas somente 44 pontos, pois o regulamento ainda previa dois pontos por vitória

Até aqui, a média do Milan é a de 2,56 pontos por jogo

Capítulo Inter: dois pontos nas últimas seis jornadas

Cada vez mais, a cova de Zaccheroni parece aberta

Já se fala até em Trappatoni para sucedê-lo

O clube de Appiano Gentile parece mesmo num eterno inferno astral

Tanto que, Adriano, que comia a bola no Parma, na Inter parece um reserva do Guapira

Esta é a seleção Trivela desta rodada

De Sanctis (Udinese); Cafu (Milan), Barzagli (Chievo), Maldini (Milan), Diana (Sampdoria); Jorgensen (Udinese), Mauri (Brescia), Barone (Chievo), Seedorf (Milan); Baggio (Brescia), Cipriani (Sampdoria)

Page 25 of 25

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top