No último sábado 07 de setembro, a seleção da França recebeu a frágil Albânia no Stade de France (Paris/França) em compromisso válido pelo grupo H das Eliminatórias da EURO 2020. A equipe comandada pelo técnico Didier Deschamps obteve boa vitória por 4×1, em embate em que brilharam os coadjuvantes.

O grupo H tem França, Turquia e Islândia ocupando primeiro, segundo e terceiro lugares. As três seleções estão numericamente empatadas com 12 pontos, com os franceses porém na liderança no critério de desempate do saldo de gols (12 gols positivos).

Cortes inesperados

A semana anterior ao confronto trouxe anúncios dos cortes de Aymeric Laporte (zagueiro, Manchester City) e Paul Pogba (meia, Manchester United). Laporte sofreu grave lesão em compromisso do City pela Premier League em sua última rodada antes do início desta data FIFA. O defensor inclusive passou por intervenção cirúrgica.

Já Pogba por sua vez teve dispensa anunciada de forma inesperada, dado o diagnóstico de lesão no tornozelo. Para o lugar de Laporte o técnico Deschamps convocou o titular Samuel Umtiti (Barcelona), que a principio parecia ter sido deixado de fora, justamente para que outros tivessem oportunidade.

Para o lugar de Pogba o técnico chamou Mattéo Guendouzi (volante, Arsenal), incensado pela imprensa inglesa após o empate em 2×2 entre Arsenal e Tottenham, realizado pela liga inglesa exatamente uma semana antes do confronto entre franceses e albaneses.

Contra a Albânia

Apesar de não ter todos os titulares, Deschamps utilizou estrutura tática muito similar ao da equipe campeã mundial na Rússia, a pouco mais de um ano. Dentre os titulares frequentes, vale ressaltar que Kylian M’bappé (ataque, PSG), sofreu lesão dias antes da convocação e obviamente não está no grupo.

Deschamps alinhou inicialmente Lloris, Pavard, Varane, Lenglet e Lucas Hernández. Matuidi, Tolisso. Kingsley Coman, Griezmann e Thomas Lemar. Giroud. Oito atletas foram titulares frequentes durante a Copa 2018: Lloris, Pavard, Varane, Lucas, Matuidi, Tolisso, Griezmann e Giroud. As variações táticas de 4-2-3-1 e 3-4-3 (com Pavard podendo se projetar pela direita) eram possíveis novamente.

Kingsley Coman anotou dois dos quatro gols e convém lembrar que o meia-atacante do FC Bayern lesionou-se de forma grave em fevereiro de 2018, algo que abortou qualquer possibilidade de participação na Copa. O mesmo Coman sofreu nova lesão no começo da temporada 18/19, o que não o impediu de realizar 30 partidas (10 gols) pelo Bayern na última temporada.

Coman sempre teve a confiança de Deschamps e foi utilizado pelo lado direito do ataque, em alternativa ao desfalque M’bappé. A boa apresentação do meia-atacante do Bayern pode criar preocupação para os campeões mundiais Florian Thauvin (Olympique Marselha) e Ousmane Dembélé (Barcelona), que atuam pelo setor, e ausentes na presente convocação.

O sinal de alerta sobretudo para Dembélé, que já apresentou episódios de imaturidade no Barcelona, é maior porque Jonathan Ikoné (ataque, Lille) fez sua estreia entrando no fim da segunda etapa do confronto contra a Albânia. Destaque do Lille vice-campeão francês 18/19, o atacante de 21 anos anotou o quarto gol francês.

Além da boa apresentação de Coman e Ikoné, é preciso ressaltar a recuperação plena de Corentin Tolisso, meia também do FC Bayern. Tolisso sofreu lesão física grave logo no começo da temporada 18/19. É preciso ressaltar que Deschamps tem em Tolisso o substituto de Pogba, desde a reta final de preparação para a Copa 2018.

A fragilidade da Albânia favoreceu bom desempenho dos coadjuvantes que ganharam oportunidades inesperadas. Entretanto, mesmo que o próximo adversário seja a lanterna Andorra, a França não pode se descuidar com vice-líder e terceiro colocado do grupo, mantendo os mesmos números de pontos.

A seleção francesa volta a campo nesta terça-feira 10 de setembro, contra Andorra as 15:45 (horário de Brasília). O confronto será novamente no Stade de France. A Esporte Interativo exibirá partidas no Brasil das ELiminatórias EURO, via canais fechados Space/TNT e via Facebook.

Imagem de Giroud e Lucas Hernández: reprodução

Sortie de but

– O aspecto futebolístico do confronto foi ofuscado por um erro da parte da organização da federação francesa. O Stade de France ouviu o hino de Andorra, ao invés do hino da Albânia, antes da partida começar. Os atletas albaneses chegaram a ameaçar não disputar a partida, caso o hino correto não fosse executado. Segundo algumas reportagens da imprensa européia, os franceses ainda se equivocaram ao pedir desculpas “a Armênia”, nos microfones do estádio.

– Além de Coman (2 gols) e Ikoné, Olivier Giroud anotou gol perante a Albânia. Foi o 35º gol do atacante do Chelsea com a camisa da seleção francesa. Giroud se vê a seis gols do vice-artilheiro de todos os tempos da seleção, Michel Platini. O artilheiro geral ainda é Thierry Henry (51 gols).

– Antoine Griezmann se deu ao luxo de desperdiçar uma cobrança de pênalti no minuto 36. A partida já estava em 2×0 para os franceses.

– Com a liderança do grupo H das Eliminatórias EURO definida no saldo de gols, a França mantém os citados 12 gols, contra 8 gols de saldo da Turquia e 3 gols de saldo da Islândia (três seleções com 12 pontos). Franceses tem o melhor ataque do grupo com 16 gols anotados e 4 gols sofridos. Quarto, quinto e sexto colocados são respectivamente Albânia (6 pontos), Moldávia (3 pontos) e Andorra (zero ponto).

– Alvo de elogios até do agora comentarista da tv inglesa José Mourinho, Mattéo Guendouzi (20 anos) não saiu do banco de reservas contra a Albânia. Deschamps tem no não convocado Tanguy N’Dombélé (22 anos, Tottenham) candidato a vaga de meio-campista mais jovem do grupo, onde Kanté, Matuidi, Tolisso e Pogba são intocáveis. Guendouzi compete com os veteranos N’Zonzi e Moussa Sissoko, além de N’Dombélé. De qualquer forma Adrién Rabiot (Juventus) é quem parece mais distante da EURO.