Just Push Play: Robert Plant “The May Queen”

robert-plant-ed-miles2

Ex-vocalista do Led Zeppelin, o cantor Robert Plant tem mantido carreira solo prolífica nas últimas décadas. Plant liberou “The May Queen” canção que integrará seu novo registro solo intitulado “Carry Fire”. O álbum sai no mercado internacional pela Nonesuch/Warner, no próximo dia 13 de outubro.

Plant vem refutando propostas e mais propostas de retorno com o Led Zeppelin, desde as apresentações de 2007 em Londres (Inglaterra), lembrando que o feito se dera com os outros membros originais Jimmy Page, John Paul Jones e Jason, filho do falecido baterista John Bonham.

Não é incoerente tomar o Plant dos últimos anos enquanto alguém minimamente controverso. O cantor tem se notabilizado por desmerecer materiais raros e faixas inéditas, inclusas em relançamentos de álbuns do Led Zeppelin, algo que só deprecia aquilo que seus próprios fãs vão consumir. Em suas apresentações privilegia repertório próprio, rarissimamente recorrendo a material da antiga banda.

Ouça The May Queen

A atitude de “nômade exilado” personificada por Plant lembra a figura de Ritchie Blackmore, após este abandonar o Deep Purple na metade dos anos 1990. Depois de breve ressurreição do Rainbow, Blackmore deu início ao Blackmore’s Night, voltado a música folclórica e barroca. O Blackmore’s Night se vê ativo até hoje, agora em paralelo ao retorno do Rainbow para o “canto do cisne”, reativado pelo guitarrista original do Purple, em 2016.

robertplantcarryfirecd

A diferença entre Plant e Blackmore, é que Plant por um motivo ou por outro, ainda deixa emanar um “hype” interesseiro correspondido sobretudo pela imprensa musical norte-americana. Nos EUA o Led Zeppelin foi muito maior que o Deep Purple nos idos dos anos 1970, algo que não remete a qualidade musical e sim, única e exclusivamente a repercussão comercial. Mais além, Blackmore nunca fez questão de parecer um cara “cool” perante a imprensa.

Plant declaradamente não está mais interessado em gravar álbuns de rock. Trafega pela world music, folk music, blues e até mesmo country. No Brasil um público dito “fã de Led Zeppelin” paga caro para ver seus shows, fingindo entender a ideia por trás da jornada artistica atual do ex-Zeppelin. A imprensa musical mainstream brasileira idem.

Curioso foi o setlist montado pelo cantor para a apresentação do Lollapalooza Brasil de 2015. Das 12 canções para uma apresentação de menos de 50 minutos, foram elencadas 6 canções gravadas por ele com o Led Zeppelin e uma de Joan Baez (“Baby I’m Gonna Leave You”), que se tornou sucesso com a banda de Jimmy Page. Antes de chegar ao Brasil, Plant havia dito à imprensa não querer “se ver preso ao passado”, nem querer “ser uma jukebox ambulante”.

Musicalmente Plant prossegue os experimentos dos últimos álbuns gravados em dupla com Jimmy Page nos anos 90, “Unledded – No Quarter” (1994) e o subestimado “Walking Into Clarksdale” (1998). “The May Queen” aqui exposta lembra muito o material do registro de 1998. O álbum “Carry Fire” sucederá “Lullaby and…the Ceaseless Roar” de 2014.

Imagem de Plant: Ed Miles