Just Push Play: Samael “Angel of Wrath”

543822D6-samael-ink-deal-with-photograve-management-image

O suíço Samael liberou a canção “Angel of Wrath”, a qual fará parte do tracklist de “Hegemony”, seu novo álbum de estúdio que sairá em outubro. O registro será disponibilizado pela Napalm Records no mercado internacional, com Samael em momento de celebração dos seus 30 anos de carreira.

O som atual do Samael é bastante diferenciado daquele praticado em início de carreira. Quando fundado em 1987 o Samael se via atrelado ao death e black metal, em voga no underground mundial do período. Não é exagero dar ao conjunto grande importância, colocando-o um passo atrás do Hellhammer que depois virou Celtic Frost, sendo que estes conjuntos são oriundos da Suíça.

O som inicial do Samael são se encontra deslocado daquilo que o Celtic Frost propunha nos primeiros álbuns, nem em relação ao som de nomes como Venom (Inglaterra) ou Bathory (Suécia). “Worship Him”, álbum de estreia do Samael lançado em 1991, foi também um dos primeiros registros lançados pela gravadora francesa Osmose Records, hoje tradicionalíssimo selo underground mundial.

Ouça Angel of Wrath

A fase recente do Samael se deflagra a partir de “Passage”, lançado em 1996. O duo Xy (sintetizadores/programações) e Vorph (voz/guitarra) aderiu às gravações digitais, fazendo com que o Samael fosse um dos primeiros conjuntos do metal extremo a obter êxito, ao aglutinar influencias do industrial, do gothic, pós punk e da música eletrônica.

No fim dos anos 90 a banda se equilibrava sem destoar, ao lado de uma nova geração de nomes oriundos do underground europeu, a qual se valia de influencias musicais diversas, fundidas a formas diferentes de expressar o metal extremo. Já se tinham Moonspell (Portugal), Rotting Christ (Grécia), Dark Tranquillity (Suécia), Pain (Suécia), Dimmu Borgir (Noruega), Cradle of Filth (Inglaterra) e Paradise Lost (Inglaterra).

Capa de "Hegemony"

Capa de “Hegemony”

Num mundo pré-mp3 o Samael teve “Worship Him” e “Ceremony of Opposites” (1994), lançados no Brasil em formatos físicos respectivamente por Hellion e Cogumelo Records. Com as notícias sobre as mudanças sonoras, o conservador público brasileiro apresentou redução de interesse pelo que a banda fazia e o Samael começou a passar despercebido.

Os álbuns lançados na metade dos anos 1990, “Passage” e “Eternal” (1999), ainda são tidos como registros vanguardistas na Europa. “Solar Soul” (2007) e “Above” (2009), lançados sob vínculo com a gravadora Nuclear Blast, são grandes momentos do Samael fundindo black metal, industrial e partes sinfônicas, sobretudo o devastador “Above”. A banda não deve nada a trabalhos maduros de nomes noruegueses do black metal sinfônico, tais quais Emperor ou Dimmu Borgir.

Imagem: divulgação