Music For Your Eyes: Witchery “Oath Breaker”

Witchery-band-e1480349450105

O sueco Witchery lançou seu mais novo álbum “In His Infernal Majesty’s Service”, no último dia 25 de novembro. A banda é alguma coisa cult no cenário underground do metal sueco, trazendo em sua atual formação e gênese, membros da formação original do Satanic Slaughter.

O Satanic Slaughter se posiciona ao lado da primeira geração de bandas de death metal suecas que passaram a ter visibilidade na primeira metade dos anos 1990, junto a nomes como Hypocrisy, Edge of Sanity e At The Gates. Seus principais integrantes deixaram o conjunto após os álbuns “Satanic Slaughter” (1995) e “Land of Unholy Souls” (1997).

Eram eles os músicos Tony “Toxine” Kampner” (voz) e os guitarristas Patrik Jensen (também The Haunted, ex-Seance) e Rille “Richard Corpse” Rimfält (ex-Seance). Os três fundaram o Witchery no fim dos anos 1990, trazendo consigo o baixista Sharlee D’Angelo, na época ainda membro do (hoje inativo) Mercyful Fate e integrante do Arch Enemy, posto este que Sharlee mantém até os dias atuais.

Veja o vídeo de Oath Breaker

O Witchery surgiu apresentando uma sonoridade crua, quase punk, desenvolvendo um thrash metal vinculado a aspectos musicais/visuais do metal dos anos 1980. Toxine utilizava um visual quase caricato, valendo-se de corpse paints típicas do black metal norueguês, em alta no fim dos anos 90. Toxine personificava um tributo tosco mas muito respeitoso, a figuras do metal como King Diamond.

O Witchery ainda com Toxine (ao centro) (divulgação)

O Witchery ainda com Toxine (ao centro) (divulgação)

A banda se mantem na ativa conforme a agenda de seus integrantes, sobretudo às de Sharlee e Patrik, permitem. Toxine deixou o conjunto após “Don’t Fear the Reaper” (2006), quarto álbum de estúdio da banda. Foi substituído por Erik “Legion” Hagstedt, ex-vocalista do respeitado Marduk, que por sua vez gravou apenas “Witchkrieg” (2010).

Legion manteve-se no Witchery até 2011, quando saiu e acabou substituído por Magnus “Emperor Magnus Caligula” Broberg, outro cultuado ícone do black metal, ex-integrante do Dark Funeral. Com Magnus Caligula o Witchery se apresentou ao vivo entre 2011 e 2016, mas o cantor, baixista e compositor, nada gravou com o conjunto.

A canção “Oath Breaker” teve um tosquíssimo vídeo liberado pelo Witchery, pouco antes da gravadora Century Media lançar o novo álbum. Neste vídeo o novo vocalista (e ilustre desconhecido) Angus Norder se apresenta, dublando alguns versos da música em meio a um fundo preto, e ostentando sua face manchada de sangue fictício.

O Witchery é um nome cultuado e pouco conhecido no Brasil. Carrega consigo herança e espírito do metal dos anos 1980, embora muitos que se dizem “fãs” e “defensores” do período áureo do estilo, desprezem aquilo que foi produzido nos anos 1990.

Imagem: divulgação