Na última quarta-feira a seleção feminina de futebol iniciou sua participação nos Jogos Olímpicos 2016, enfrentando e vencendo a China por 3×0. A partida aconteceu no Engenhão (Rio de Janeiro/RJ), sem grande público (pouco mais de 13 mil pagantes) e ainda antes da cerimônia de abertura, ocorrida na capital carioca na última sexta-feira.

Os jogos de futebol estão sendo sediados em diversos estados, além do estado do Rio de Janeiro. A categoria masculina tem times dispostos em quatro grupos (A, B, C e D). Os times femininos respondem pelos grupos E, F e G. Para ambos os sexos vale a regra em que se classificam os dois melhores de cada grupo, que se enfrentarão posteriormente numa fase de mata-mata.

Há de se ressaltar ainda uma diferença entre a categoria masculina e a feminina. As equipes femininas estão desvencilhadas da regra de limitação de idade (sub-23), imposta aos atletas da categoria masculina. As seleções femininas disputam as Olimpíadas com os seus times principais.

Brasil

Após a vitória por 3×0 sobre as chinesas, a atacante Cristiane (PSG/França) afirmou à imprensa que as brasileiras esperavam de antemão, que a China propusesse um jogo de intensidade ofensiva. Segundo Cristiane a orientação do técnico Oswaldo “Vadão” Alvarez, era a de se precaver contra um time ofensivo.

A atacante afirmou que seu time se surpreendeu com a postura defensiva das chinesas. A explicação de Cristiane justificou a opção de Vadão em promover a entrada de Thaísa ao lado de Formiga, ambas fixas à frente da linha defensiva. Com a alteração a meia Andressinha, titular no Mundial 2015 e Pan Americano (2015), foi para a reserva.

A disposição inicial teve Bárbara, Fabiane, Mônica, Rafaelle e Tamiris. Formiga, Thaísa, Marta e Beatriz. Andressa Alves e Cristiane. A princípio o desenho tático era um 4-4-2 convencional, com Marta presa à segunda linha de 4. Na primeira etapa as equipes mostraram-se “espelhadas” no aspecto tático, com ambos os times buscando serem ofensivos, apenas quando podiam sair nos contra-ataques.

O Brasil abriu o placar aos 34 min, após a zagueira Mónica aproveitar bola aérea inconstante na área adversária. Com a chinesas retraídas, Vadão promoveu a entrada de Andressinha no início do segundo tempo, readquirindo seu posto no lugar de Thaísa.

O time podia se desdobrar num 4-3-3 muito ofensivo, com Marta e Andressinha se desprendendo do campo defensivo. O módulo 4-1-4-1 é possível com esta formação. Formiga se fixa à frente da linha das 4 defensoras. Marta e Andressinha se aglutinam à linha de 4 meias ofensivas que tem Beatriz e a alternância entre Andressa Alves/Cristiane.

Aos 13 min, Andressinha lançou Marta aberta pela ponta direita, que cruzou para Andressa Alves (Barcelona/Espanha) ampliar para 2×0. O time chinês não tinha consistência ofensiva e o Brasil controlava as ações sem muita dificuldade. Aos 44 min, Cristiane anotou o terceiro de cabeça, após cobrança de falta primorosa de Andressinha, que lançou a bola para a área.

Andressinha (Houston Dash/EUA) é uma meio-campista apta a dar o primeiro passe, e exímia no fundamento da bola longa. A responsabilidade criativa provavelmente incidirá sobre ela num futuro próximo, uma vez que Marta (Rosengard/Suécia) já se vê em idade avançada (30 anos).

China

Tradicional em seu continente ao contrário da sua seleção na categoria masculina, a China já venceu oito vezes a Copa da Ásia de futebol feminino. O time ainda é vice-campeão Mundial (1999) e vice-campeão olímpico (1996).

Como percebemos através do depoimento de Cristiane citado acima, a seleção chinesa abdicou de seu habitual jogo ofensivo. Em contraparte, mostrou não ter vocação para atuar de forma fechada, saindo em rápidos contra-ataques. Com certeza o aspecto mental da tensão da partida de estreia, também influiu na má apresentação realizada pelas chinesas.

O experiente treinador Bruno Bini é francês, tendo comandado todas as seleções de base femininas da França, além de ter sido o técnico da seleção francesa feminina principal entre 2007 e 2013. Está à frente da seleção chinesa, desde 2015.

Brasil e Suécia surgem à frente no grupo E, com três pontos cada. A liderança cabe às brasileiras no critério de saldo de gols. Brasileiras e suecas se enfrentam neste sábado às 22 hr, no Engenhão (Rio de Janeiro/RJ)

Imagem de Marta entre a marcação chinesa: cbf.com.br