Seguimos com a apresentação dos seis grupos da EURO 2016, que começará a ser disputada na França, no próximo dia 10 de junho.

As seleções se dividem em seis grupos elencando quatro times em cada. As duas melhores colocadas de cada grupo, mais os quatro melhores terceiro colocados dentre todos os seis grupos, avançarão para o mata-mata.

A fase eliminatória se desenvolve em oitavas de final, quartas de final, semi-finais e final. A competição voltou a ter a fase de oitavas de final. A fórmula da EURO não inclui disputa de terceiro e quarto lugar. Confira agora o grupo B.

Grupo B: Inglaterra, Rússia, País de Gales e Eslováquia.

Inglaterra
Melhor colocação: terceiro lugar em 1968 e 1996.
Treinador: Roy Hodgson
Provável time-base: Hart, Walker, Cahill, Smalling e Danny Rose. Henderson, Lallana, Milner e Sterling. Rooney e Vardy (Kane).

A Inglaterra do veteraníssimo treinador Roy Hodgson é a seleção com mais tradição no grupo B, a qual tenta provar algo pois nunca conseguiu vencer a EURO, mesmo sendo o país inventor do futebol.

O English Team surge na EURO 2016 com um elenco interessante, que definitivamente renovou uma talentosa geração que não venceu nada (Beckham, Lampard, Gerrard, Terry). Dentre os 23 convocados, quatro atletas tem 30 anos, dos quais James Milner é o mais velho. Todos os outros tem menos de 30 anos.

O retrospecto da equipe é ruim, pois os britânicos foram eliminados nas quartas de final da EURO 2012, e sequer chegaram ao mata-mata no Mundial 2014. Hodgson dispõe de uma formação que pode se desenhar no 4-4-2 tipicamente inglês, variando para o 4-2-3-1 padrão vigente na Europa.

O time começa pelo ótimo goleiro Joe Hart (Manchester City) em grande fase. O sistema defensivo é um ponto fraco, sendo que chegou a ser cogitada a convocação do antigo capitão e zagueiro John Terry (Chelsea), o que não ocorreu. O meio-campo é solido devendo conter o trio do Liverpool, Henderson/Lallana/Milner.

O ataque tem peças interessantes e jovens, como Raheem Sterling (Manchester City), Harry Kane (Tottenham Hotspur) e Jaime Vardy (do campeão inglês Leicester City). Eles gravitam em torno do experiente Wayne Rooney (30 anos), que ainda tenta reproduzir na seleção o protagonismo que tem no Manchester United.

O grupo B é equilibrado, com os ingleses se postando enquanto candidatos a uma das duas primeiras vagas. Porém, a obtenção de uma nova geração promissora já é uma conquista razoável.

Rússia
Melhor colocação: terceiro lugar em 2008.
Treinador: Leonid Slutsky

A seleção da Rússia assim nomeada disputa a EURO desde 1996. Porém, é preciso ressaltar que a extinta União Soviética venceu a primeira edição da EURO, realizada em 1960, além de ter sido vice-campeã na edição de 1988.

Os russos tentam sedimentar uma equipe minimamente confiável para a disputa do Mundial 2018, torneio do qual serão anfitriões. Entretanto, o trabalho não tem sido fácil. O time vinha sendo treinado pelo italiano Fabio Capello, demitido em 2015 e substituído pelo ex-goleiro russo Leonid Slutsky.

A missão de Slutsky é ir além da primeira fase, uma vez que os russos sequer chegaram ao mata-mata, na edição 2012 da EURO. O time conta com a dupla de ataque do Zenit St. Petesburg, Aleksandr Kokorin e Artyom Dzyuba.

A liderança técnica/moral fica com o veterano capitão Roman Shirokov (34 anos), volante do CSKA Moskow. Os russos disputam a terceira colocação do grupo, com a Eslováquia.

País de Gales
Melhor colocação: estreante
Treinador: Chris Coleman

A seleção do País de Gales, nação pertencente às Ilhas Britânicas, angariou admiradores nos últimos anos de disputa em Eliminatórias para a presente edição da EURO. A última participação dos galeses numa competição de seleções foi no Mundial de 1958, em que o time caiu nas quartas de final, eliminado pelo Brasil de Pelé e Garrincha.

Gareth Bale atuando pela seleção galesa (Foto: AFP)

Gareth Bale atuando pela seleção galesa (Foto: AFP)

O futebol não é esporte tradicional local, sendo que os clubes Swansea City e Cardiff City disputam a liga inglesa. Porém, a boa fase dos galeses surge amparada pelo meia-atacante Gareth Bale, astro do espanhol Real Madrid, e principal atleta da equipe estreante na EURO.

O treinador Chris Coleman lançou expediente de um estilo de jogo coletivo, compreensivelmente dependente de Bale, que na seleção galesa atua centralizado, diferentemente do que se vê no Real Madrid. O desenho tático pode variar o 4-2-3-1, para um 4-4-2 convencional.

A espinha dorsal da equipe ainda tem o volante Joe Allen (Liverpool/Inglaterra), e o meia-atacante Aaron Ramsey (Arsenal/Inglaterra). Dentre o restante do elenco, quase todos os atletas atuam em clubes da Premier League inglesa.

Os galeses brigam sim, por uma das duas primeiras vagas do grupo.

Eslováquia
Melhor colocação: estreante
Treinador: Ján Kozák

Outra seleção oriunda do leste europeu posterior à dissolução da antiga União Soviética, a Eslováquia desenvolve jovem trajetória iniciada na metade dos anos 1990. Sua nação aliás era antigamente nomeada Tchecoslováquia, dividida em República Tcheca e Eslováquia.

Ao passo que a República Tcheca manteve-se um pouco mais preponderante no cenário futebolístico europeu, os eslovacos em toda a sua história disputaram apenas o Mundial de 2010, onde caíram nas oitavas de final. Agora chegam à sua primeira EURO.

O treinador Ján Kozák se vê à frente da equipe desde 2013. O time conta com poucos atletas de renome, liderados em campo pelo craque Marek Hamisk, já a algum tempo ídolo do Napoli, atual vice-campeão italiano. O capitão é o veterano zagueiro Martin Skrtel, ídolo do inglês Liverpool

A missão possível dos eslovacos é obter a terceira colocação do grupo.

Para ler sobre o grupo A, clique aqui!