Série A italiana: Pipita e o Napoli campeão de inverno.

1452446865_197485_1452447557_noticia_normal

No último domingo, a Série A italiana foi mais uma liga nacional europeia que chegou ao fim de seu primeiro turno. A atual edição do campeonato italiano, tem sido minimamente caótica, ao passo que a atual tetracampeã Juventus começou mal. Fiorentina e Internazionale se revezaram na liderança, mas quem acabou “campeão de inverno”, foi o Napoli.

Os partenopei visitaram e atropelaram o fraco Frosinone impondo-lhes 5×1, na última rodada. O resultado deu 41 pontos ao clube napolitano, líder incontestável e improvavelmente conduzido em campo pelo atacante, Gonzalo “Pipita” Higuaín, artilheiro do time e da Série A com 18 gols. O atleta argentino anotou dois tentos na citada goleada.

Aliás, o periódico espanhol El País ressalta a artilharia máxima das ligas nacionais europeias, neste momento ostentada por Higuaín, em posto dividido com o gabonês Aubameyang do alemão Borussia Dortmund. Os dois estão à frente de Luís Suárez (Barcelona), Ibrahimović (Paris Saint-Germain) e Jaime Vardy (Leicester City), estes três com 15 gols cada.

Segundo o El País, Higuaín a principio queria se transferir, lembrando que o atacante vem em débito crescente com a seleção argentina, desde a final do Mundial 2014. O treinador Maurizio Sarri, que assumiu o clube no início desta temporada substituindo Rafael Benítez, convenceu “Pipita” a ficar. Atualmente com 28 anos, Higuaín tem mantido alta média de gols por temporada, segundo levantamento do El País.

Foram também 18 gols na temporada 2014/2015 e 17 na temporada 2013/2014, sua primeira em Nápoles. É preciso lembrar que o argentino fora contratado junto ao Real Madrid, em 2013. O El País relembra que ele anotou 22 gols atuando no Santiago Bernabéu, tanto na temporada 2008/2009 quanto na temporada 2011/2012. O ápice com a camisa merengue foi na temporada 2009/2010, quando anotou 27 gols sob comando de Manuel Pellegrini.

Já a mudança de forma em relação ao que vinha se passando desde a copa de 2014, é creditada pelo próprio Higuaín ao doutor Giuliano Poser, o mesmo que sugeriu uma readequação alimentar a Lionel Messi. O El País ressalta dito do atacante ao diário argentino Olé, onde afirmou que mudou a dieta e perdeu quatro quilos. Trocou carnes vermelhas e açúcar por peixes, frutas e mel.

Semelhanças com o passado.

O técnico Maurizio Sarri por sua vez, mantém os pés no chão desde o começo da atual edição da Série A, tendo refutado expectativas de título e descrevendo-as enquanto “blasfêmias”. O treinador segue afirmando que a Juventus defende o título, sem perder nenhum favoritismo. A vecchia signora é vice-líder, dois pontos atrás do Napoli.

Em contraparte, na Itália são inevitáveis os traços comparativos com a campanha vitoriosa na edição da Série A de 1989/1990, com os partenopei contando com o brasileiro Careca e liderados em campo por Diego Maradona. O Napoli também foi o “campeão de inverno” naquela ocasião.

Parte do realismo adotado por Sarri é tomado enquanto antidoto para o desejo da torcida partenopei, a qual vê um “Maradona moderno” desmedidamente personificado em Higuaín. O El País ressalta palavras de Careca, afirmando que Maradona é incomparável, mas que Higuaín lembra sim, atacantes daqueles tempos.

Segundo o ex-atacante de Guarani, São Paulo e seleção brasileira, Higuaín é “um dos poucos de se assemelham” aos atacantes de sua época. “Tem grande técnica, um chute potente e sabe proteger bem a bola”.

Imagem de Higuaín (a esquerda) contra o Frosinone, no último fim de semana: Ettore Ferrari – EFE