No início da noite (horário de Brasília) desta sexta-feira, o inglês Chelsea anunciou oficialmente a chegada do atacante brasileiro Alexandre Pato. O atleta foi cedido por empréstimo pelo Corinthians, em vínculo que se encerrará ao fim da atual temporada 2015/2016, no mês de julho.

Muitos rumores envolvendo o nome de Pato foram reverberados nas últimas semanas, sendo que o Corinthians tinha o intuito de recuperar o investimento feito ao adquiri-lo em 2013 (cerca de 15 milhões de Euros). De imediato isso não aconteceu. O contrato do atacante tem uma opção de compra ao fim do empréstimo, com um valor estipulado em 12 milhões de Euros.

Caso a compra se concretize, o Corinthians terá direito a 60% do valor de seu atleta, que terminou o ano de 2015, cedido por empréstimo ao rival São Paulo.

Opções do ataque blue.

A princípio uma opção para o ataque no plantel do Chelsea, não parecia ser uma preocupação para o treinador Guus Hiddink. O clube mantém o colombiano Falcao Garcia e o francês Loic Remý, os quais segundo a imprensa futebolística, podem deixar o clube até segunda-feira, quando a janela de transferências se encerra.

Remý em especial teria propostas de clubes menores da própria Premier League, e com certeza quer jogar para pleitear uma vaga no time da França que jogará a EURO 2016, em junho. Caso ambos saiam, o artilheiro (e titular absoluto) Diego Costa não teria suplentes.

Em termos de marketing Pato pode agradar o público politicamente correto da Premier League. No aspecto comportamental, Pato sempre manteve imagem de “bom moço”. Pato é o oposto extremo de Diego Costa, por sua vez tomado na Inglaterra enquanto jogador “desleal”.

Costa é aquisição do treinador José Mourinho, fora do clube desde dezembro. O fato de Diego Costa já ser criticado por muitos torcedores ingleses (o chamam de “dirty”/sujo), pode contribuir até para uma eventual volta ao Atlético de Madrid, ao fim da temporada.

O passado de Pato na Europa.

Oriundo do Internacional/RS, Pato atuou no Milan entre 2007 e 2012, tendo chegado à Itália com menos de 18 anos, situação que obrigou-o a esperar a atingir a maioridade para poder jogar. Só obteve uma conquista expressiva, a Série A italiana 2010/2011, o que em cinco temporadas foi muito pouco.

Ele não foi protagonista daquela conquista uma vez que Zlatan Ibrahimović (atual PSG), respondia sozinho pelo Milan naquele período. Ainda assim, os números de Pato foram razoáveis, 63 gols em 160 partidas. Afora seus problemas musculares sanados desde o retorno ao Brasil em 2013, Pato sofria frequentemente de um déficit motivacional, provavelmente causado pela própria imaturidade.

No Milan, Pato foi adequado por Carlo Ancelotti para suprir a lacuna do ucraniano Andriy Shevchenko. Sheva porém era um craque que atuava aberto pela direita (tal qual Pato), cumprindo de forma exemplar a função de atacante de área se necessário. Finalizava, passava, cabeceava e tinha excelência na bola parada. Já aposentado, Shevchenko ainda é o segundo maior artilheiro da história do Milan (175 gols).

Pato por sua vez pode jogar como referência na área, mas ele é melhor pelos lados, onde tem velocidade nos 30m finais do campo. Para se tornar um atacante de área com desenvoltura, Pato precisaria ter o apuro técnico do argentino “Kun” Agüero (Manchester City), uma vez que suas compleições físicas são parecidas.

Entretanto, Agüero só está no auge hoje, pelo fato de já atuar na Premier League há quatro temporadas.

Possibilidade de não haver adaptação.

A exemplo de Shevchenko, Pato já jogou pelo Milan e agora jogará pelo Chelsea. Sheva foi para os blues no auge, comprado a peso de ouro por Roman Abramovich em 2006. Porém, o ucraniano afundou sua carreira no futebol inglês. Há na cultura do time de Cobham um apreço pelo futebol italiano.

Antes de Abramovich comprar a agremiação em 2003, o Chelsea teve atletas que obtiveram sucesso no futebol italiano, como o francês Marcel Desailly e o atacante Ruud Gullit, ambos ex-Milan. O atacante italiano Gianfranco Zola também é um grande ídolo blue, tal qual o ex-volante e ex-treinador do próprio Chelsea, Roberto Di Matteo. Isso além do técnico italiano Claudio Ranieri (atual Leicester City).

Por outro lado, há um grande histórico de jogadores de êxito no futebol italiano, mas que não conseguiram se adaptar à Inglaterra, isso tendo sido contratados pelo Chelsea. Num passado recente é possível mencionar Juan Verón (ex-Lazio, Internazionale, Manchester United), Hernán Crespo (ex-Lazio, Milan, Internazionale), e o próprio Shevchenko.

Mais recentemente, o exemplo é o colombiano Juan Cuadrado, adquirido pelo Chelsea no início de 2015 junto à Fiorentina, mas repassado para a Juventus menos de seis meses depois. Aos 26 anos, Pato talvez esteja recebendo sua última chance de se sobressair no futebol europeu.

O Chelsea volta a campo contra o MK Dons no próximo domingo, em partida válida pela quarta eliminatória da FA Cup inglesa. O jogo ocorrerá às 14 hr (horário de Brasília) e no Brasil, será transmitido pela ESPN.

Imagem de Pato nos tempos de Milan: Getty Images