Aos olhos do público brasileiro, qualquer nota enaltecendo a figura do meia Casemiro (ex-São Paulo), causa um espanto mínimo. Casemiro se destacou há poucos anos, jogando pelas categorias de base da seleção brasileira. No São Paulo porém, o meio-campista nunca conseguiu “deslanchar”.

O técnico Ney Franco já expressou publicamente que sentiu-se frustrado por não ter conseguido motivar o meia, quando trabalhou no Morumbi. O grande jornalista Paulo Massini (rádio CBN), sempre dotado de bom humor perspicaz, costumava descrever o meia enquanto alguém que “corre usando uma calça jeans molhada”.

Pois bem, após duas temporadas na Europa por Real Madrid e FC Porto, Casemiro (hoje com 23 anos) que retornou de empréstimo do clube lusitano à Chamartín, é um dos principais nomes do plantel de Rafa Benítez. O periódico espanhol El País, direcionou seu enfoque ao meia brasileiro, após a vitoria blanca sobre o Shakhtar Donetsk no meio da semana, pela Champions League.

Basicamente, Casemiro que vinha jogando ininterruptamente, foi deixado no banco em nome do retorno de James Rodríguez, na derrota para o Barcelona (4×0) por La Liga, a uma semana. Não tê-lo foi um dos motivos da derrota pavorosa, sofrida pelos merengues. O El País credita ao treinador espanhol Julien Lopetegui, o ponto de mutação da carreira do meia.

Chegada a maturidade.

Casemiro foi emprestado ao FC Porto na temporada passada para “ganhar rodagem”. Ex-técnico das seleções espanholas de base, Lopetegui configurou um Porto com Casemiro enquanto centro de gravidade em seu meio-campo. O meia foi um dos destaques dos dragões na última temporada, inclusive na trajetória portista na Champions League passada.

Voltando ao presente, o El País ressaltou as palavras de Casemiro à imprensa, após a vitória por 4×3 sobre o Shakhtar na última quarta-feira. O meia sobressaltou os “75 minutos incríveis”, tempo em que a equipe blanca conseguiu impôr 4×0, lamentando porém a “queda de intensidade”. Casemiro afirmou que fora uma lição “aprendida para a próxima vez”.

Contra o Shakhtar o meia liderou a estatística blanca de roubadas de bola, tendo retomado 89 bolas. Casemiro concedeu ao meio-campo, a estabilidade defensiva perdida desde a saída de Xabi Alonso. Mais do que isto, tem funcionado de forma harmônica quando Luka Modrić é escalado. A configuração do setor, lembra muito aquela designada por Benítez em seu Liverpool, na década passada. Casemiro e Modrić atuam de forma muito parecida com a forma como Xabi Alonso/Steve Gerrard, atuavam.

Segundo o El País Casemiro acumulava 941 minutos de jogo, tendo obtido 13 aparições em 13 partidas, das quais 10 surgiu como títular, em números computados até a véspera da última rodada de La Liga espanhola. O periódico espanhol sublinha que o próprio grupo blanco estranhou a escalação de James em seu lugar, na partida contra o Barcelona.

Para Benítez, Casemiro é o único meio-campista de ofício do plantel blanco e assim já era enaltecido no FC Porto, por seu preparador físico Juan Carlos Martínez. Se o intento é ter a posse de bola rapidamente, então é necessário roubar a bola rapidamente, virtude de Casemiro. Na Europa é unanimidade a opinião de que o Real Madrid é mais competitivo com Casemiro entre os titulares. A imprensa espanhola de fato o compara à Xabi Alonso e Sérgio Busquets (Barcelona).

Ainda falando com a imprensa após a partida contra o Shakhtar, Casemiro afirmou que os minutos finais da partida contra os ucranianos, o incomodaram mais do que a derrota em “el clásico”. Mais além expressou contentamento com as decisões do “chefe” (Benítez), afirmando que o treinador “sabe o que está fazendo”. Segundo o meia, Benítez é “um treinador top e todo o elenco está com ele, com o clube e com o presidente”.

O Real Madrid retorna a campo neste domingo pela décima-terceira rodada de La Liga espanhola. Os blancos visitam o Eibar às 13 hr (horário de Brasília). No Brasil, ESPN e Foxsports estão transmitindo o torneio.

Imagem de Casemiro em partida contra o PSG pela Champions League: Sergio Perez – Reuters.