Nesta quarta-feira 03/06, o Real Madrid finalmente confirmou a contratação do técnico espanhol Rafael Benítez, agora ex-Napoli, para substituir Carlo Ancelotti. A noticia surgiu meio discreta na imprensa futebolística mundial, entre notas sobre o caso FIFA e manchetes sobre a preparação do Barcelona, para a final da Champions League.

Enquanto atleta, Rafa Beíitez (55 anos) foi revelado pelo Real Madrid tendo trabalhado no clube anteriormente, ainda em seu processo de formação como treinador profissional. O espanhol chegou a comandar o Real Madrid B, na metade dos anos 90. Desde o início de sua carreira como técnico, Benitez afirmava que tinha o desejo de trabalhar no time principal de Chamartin.

É um treinador competente, cujo currículo mostra trabalhos feitos em ligas expressivas como a Premier League inglesa, não tendo entretanto o status de um Pep Guaridola ou José Mourinho. O primeiro feito expressivo do técnico espanhol se deu no Valencia, onde conseguiu conduzir o clube ao título de La Liga 2001/2002 e 2003/2004.

Sob o seu comando, os “ches” ainda venceram a Copa da UEFA (atual Europa League), também em 2004. O início meteórico rendeu uma oportunidade no britânico Liverpool, onde suas qualidades começaram a florescer em vínculo iniciado na temporada 2004/2005. Com um planejamento inicial para três temporadas, Benitez acumulou também a função de “manager”, comum no futebol inglês, onde o treinador administra as contratações de atletas.

O papel de “manager” foi o trunfo que sustentou Benitez em Anfield Road até meados de 2009. Em termos de conquista, o treinador não conseguiu ser campeão inglês uma única vez. Entretanto conduziu o Liverpool ao surpreendente título da Champions League 2004/2005, batendo o Milan nos penaltis em decisão realizada na Turquia. Um feito retumbante em sua primeira temporada frente aos reds.

Na parte tática, Benitez valeu-se de um Liverpool interessante, variando entre o 4-2-3-1 e o 4-1-4-1. Forjou a dupla de volantes formada pelos então jovens Steve Gerrard e Xabi Alonso, titulares na conquista europeia de 2005. E apostou em jogadores espanhois, valorizando-os no mercado europeu no momento de ascenção do futebol ibérico. Foi literalmente quem patrocinou a chegada de Fernando Torres ao futebol inglês, por exemplo.

Depois do Liverpool.

Após ser demitido do clube red, em consequência a uma eliminação na primeira fase da CL 2009/2010, Benitez chegou a então campeã da tríplice coroa europeia Internazionale, para substituir José Mourinho, na metade de 2010. Em Milão (Itália), Benitez se deparou com um ainda extasiado Massimo Moratti, que não lhe entregou os reforços pedidos, solicitados para um elenco já desmotivado. O treinador espanhol foi demitido logo após a conquista do Mundial de Clubes 2010.

A essa altura, Rafa Benitez parecia ter se tornado um eficiente treinador “apagador de incêndios”, utilizando um termo típico do futebol brasileiro. No fim de 2012, chegou a um Chelsea que havia acabado de vencer uma CL, mas padecendo da inexperiencia do técnico italiano Roberto Di Matteo. Sob o comando do espanhol, o Chelsea acabou derrotado para o Corinthians no Mundial de Clubes daquele ano.

Porém, a equipe blue se recuperou e coube a Benitez conduzir bem contratações promissoras realizadas por Roman Abramovich, tais quais Eden Hazard e Oscar, assim como valorizar atletas como David Luiz e Juan Mata. Sem o título do Mundial e eliminado na primeira fase da CL 2012/2013, o destino da temporada não parecia bom. Benitez no entanto, conduziu o clube blue à final da Europa League, vitorioso na decisão contra o lusitano Benfica.

Nas últimas duas temporadas, Benitez trabalhou no italiano Napoli onde obteve a Coppa Itália 2013/2014. O objetivo do clube partenopei era internacionalizar a marca do clube e mantê-lo em disputa frequente da CL, algo que o Napoli não obteve ao fim da atual temporada. O time foi eliminado nos playoffs da pré-CL 2014/2015 e não se classificou para a próxima CL.

De volta ao presente.

A imprensa espanhola destaca a exclusão do trabalho como “manager” por parte de Benitez, em seu novo vínculo firmado junto ao Real Madrid. Se limitará única e exclusivamente ao papel de treinador, segundo determinado no acordo assinado. O periódico El País destacou que Benitez custou a acreditar quando seu empresário Manuel Garcia Quilón, o informou do interesse blanco.

Benitez tinha uma segunda proposta do modesto West Ham, que o queria de volta ao futebol inglês, num vinculo que previa o exercício da função de “manager” e treinador. O El País ainda ressaltou que a chegada de Benitez ao Real Madrid se assemelha bastante ao citado ocorrido em 2012, quando o espanhol atendeu o chamado de Roman Abramovich, para assumir o Chelsea às pressas.

Nas palavras do periódico, o intento de Florentino Pérez é ter alguém para possibilitar a saída de uma “má conjuntura”. O vínculo de Benitez está previsto para se estender por três temporadas.

Imagem de Benitez: Pierre P. Marcou – AFP