“Noite dos loucos no Calderón” e “La Copa Del Ney” foram algumas das manchetes utilizadas pelos periódicos espanhóis, após a vitória do Barcelona por 3×2 sobre o Atlético de Madrid, na última quarta-feira. O jogo de volta das quartas de final da Copa Del Rey, aconteceu no Vicente Calderón (Madrid) e carimbou a classificação culé para as semifinais.

A manchete do El País enunciando a noite dos loucos no Calderón, expressa o que a crônica do jogo descreveu, sobretudo, uma partida “neurótica” onde Arda Turan arremessou uma chuteira num dos auxiliares, por exemplo. Tendo que reverter a derrota por 1×0 no jogo de ida, o Atlético começou fazendo a sua parte com Fernando Torres anotando seu terceiro gol relâmpago, em 3 partidas.

“El niño” abriu o placar com 41 segundos de jogo, a exemplo dos dois gols anotados no 2×2 contra o Real Madrid, nas oitavas de final, aqueles marcados a menos de um minuto, tanto do primeiro quanto do segundo tempo. Na comemoração Torres ajoelhou-se e beijou o solo sagrado do Calderón. O Atlético estava “no jogo” até oito ou nove minutos depois, quando Neymar empatou.

A estratégia de jogo do técnico colchonero Diego Simeone era a sua habitual postura defensiva com saída em contra-ataques muito rápidos. Porém via-se uma marcação ríspida, por vezes até exagerada da parte dos rojiblancos. O 2×1 do Atlético surgiu num penalti inexistente atribuido ao culé Mascherano, que derrubou o adversário fora da sua área. Raul Garcia cobrou e colocou os colchoneros a frente.

“O tiro no próprio pé” colchonero acabou dado por Miranda, que desviou uma bola contra a própria meta após jogada de escanteio catalã, originando assim o 2×2. Já no fim da primeira etapa, o infernal Grizemann finalizou bola que bateu no culé Jordi Alba, dentro de sua área e com o braço esquerdo parcialmente aberto. Um penalti menos duvidoso que o primeiro que o Barça teve contra si.

No contra-ataque seguinte com lance de perigo criado por Messi, Alba correu 95 metros em 14 segundos para tocar para Neymar fazer o gol da vitória do Barcelona, seu segundo na partida. Era o triunfo blaugrena ainda na primeira etapa, motivo suficiente para o Marca parodiar o título da competição e estampar “La Copa Del Ney”, em sua capa. E consequente “babação” em relação a Neymar, por parte da imprensa brasileira.

Neuroses e babações…

Com o resultado parcial o Atlético precisava de um 5×3 que não veio. As discussões rispidas começaram pouco após o terceiro gol, com Neymar criando jogadas de efeito desnecessárias, sobre Raul Garcia. O mesmo e Torres foram tomar satisfações com o brasileiro na saída de campo. Gabi acabou expulso nos vestiários após contestar a não marcação do penalti em Alba, junto a um “fraco” árbitro.

Com um a menos em campo, não havia muito o que fazer por parte do Atlético que ouvia sua fiel torcida bradando “campeones, campeones”. Porém a neurose de um segundo tempo perdido causou um arremesso de chuteira em direção ao bandeirinha por parte de Turan, após falta não marcada em si. E os cinco dedos da mão esquerda, mais dois da mão direita expressas por Juanfran para Neymar, em alusão ao 7×1.

Neymar não precisa fazer jogadas de efeito com a partida ganha dentro de campo adversário. Nem precisa fazer cara feia ao ser substituído com jogo ganho e tendo ele feito dois gols. E nem a imprensa brasileira precisa ficar “se doendo” com provocações de Juanfran ou seja lá de quem, que faça menções ao 7×1. O Brasil perdeu de 7×1 em casa e o mundo inteiro viu.

Na terceira partida entre Atlético e Barcelona em cerca de duas semanas (1 pela liga, duas pela copa), resultou em três triunfos blaugrenas. Por outro lado, a ascensão rojiblanca na última temporada fez com que este derby voltasse a ser respeitado e o confronto Real Madrid x Atlético, também voltasse a ser relevante.

O Barcelona enfrentará o Villarreal nas semifinais da Copa Del Rey. Sem o Real Madrid no torneio, já eliminado pelo Atlético de Madrid, os catalães são favoritos ao título.

Foto de Alba passando por Raul Garcia: Juan Carlos Hidalgo – EFE