EURO 2012: para as semifinais!

As semifinais da EURO 2012 já se vêem definidas. Amanhã Portugal e Espanha se enfrentam em Donetsk na Ucrânia. Portugal que havia batido a Republica Tcheca por 1×0 aguardava a Espanha jogar contra a França no último sábado.

A fúria surpreendeu de forma curiosa. É possível manter um tempo absurdo de posse de bola em 90 minutos mesmo sendo burocrático e jogando sem brilho. O primeiro gol francês saiu ainda no primeiro tempo. Uma das analises observadas pela transmissão da rede Globo foi bastante interessante.

A jogada do gol acontecia pela esquerda do campo de ataque espanhol. O francês Malouda foi enfocado andando no meio de campo apenas observando a movimentação. O volante espanhol Xabi Alonso avançou por trás do desatento Malouda e invadiu a área francesa para finalizar.

Malouda parece ter cravado um espaço tático no time francês mas se viu na reserva do Chelsea a temporada toda. Nem de longe é um jogador importante em Stamford Bridge e vale ressaltar que ele nunca foi um meio campo de marcação.

Malouda numa disposição ofensiva dos bleus fechava o meio de campo pela esquerda mais como um volante do que como um externo ofensivo, sua vocação principal. Os externos ofensivos neste grupo francês eram Ribery e Nasri.

A Espanha parecia se poupar fisicamente diante dos franceses que apresentaram bom fôlego para correr atrás da bola. Por fim faltou o homem a mais da França que infelizmente não é Franck Ribery nem Karim Benzema.

Após discussões realmente ocorridas nos vestiários posteriormente a derrota para a Suécia, Samir Nasri foi para o banco e só veio a campo no segundo tempo sendo inoperante. No fim Revelliere comete pênalti em Pedro para Xabi Alonso mais uma vez anotar. Espanha 2×0 França.

Após a partida mais notas sensacionalistas envolvendo Nasri que teria proferido ditos impróprios aos jornalistas depois do jogo. Saudades da elegância Zizou que completou quarenta anos exatamente no último sábado…

No domingo infelizmente não acompanhei Inglaterra x Itália que foi um jogo bem mais emocionante do que Espanha 2×0 França. A partida se estendeu para a prorrogação e terminou na disputa de pênaltis vencida pela azzurra por 4×2.

Enalteceram-se Pirlo que converteu uma cobrança de ‘cavadinha’ e Buffon que defendeu o último pênalti. A Itália enfrenta a favoritíssima Alemanha na quinta feira em Varsóvia na Polônia pelo outro jogo da semifinal.

Palpites.

Para Portugal x Espanha lucidamente este que vos escreve observaria 55% de chances para a Espanha e 45% de chances para Portugal. O meia catalão Cesc Fabregas em entrevistas ontem comparou o duelo a um Barcelona x Real Madrid, observando semelhanças entre o estilo de jogo lusitano baseado nos contra-ataques e o estilo de jogo blanco.

Algo que não deixa de ser verdade. Portugal porém pode ter mais ‘pernas’ no que diz respeito ao condicionamento físico detalhe que ressaltei anteriormente enquanto ponto fraco da Espanha. Por outro lado, passionalmente acredito que seja a vez de Cristiano Ronaldo provar seu valor. Então a torcida desde que vos escreve é para os portugueses. Ainda assim, tenho que escrever…saudades de Luis Figo!

Para Alemanha x Itália este que vos escreve aposta 60% de chances para a Alemanha e 40% de chances para os italianos. Cravei a mesma porcentagem para o confronto entre Inglaterra x Itália e errei plenamente ainda que em tempo de bola rolando a partida tenha sido 0x0. A Itália se fechará como de habito algo que o nationalelf pode enfrentar de forma eficiente. Por outro lado o conjunto alemão é mais coeso. A Itália depende de talentos individuais que podem sim decidir um jogo.

Um confronto tradicional que pode vir a ser a melhor partida desta edição da EURO. Talvez tão bom quanto o jogo vencido pela Itália nas semifinais do Mundial de 2006 quando os alemães perderam em casa!

Anteriores

EURO 2012: Alemanha continua favoritíssima!

Próximo

EURO 2012: finalistas definidos.

1 Comment

  1. Tou contigo torcendo por Cris! Espero um grande jogo amanha!=)

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top