Mês: março 2012

Rápidas do Italiano

Talvez não seja o torneio com melhor nível técnico da Europa, mas claramente o futebol italiano recuperou parte de sua força ao ter Milan e Juve novamente “funcionais” após anos alijados pelo escândalo de 2006. Talvez a notícia seja ruim para os interistas, mas para o torneio como um todo, certamente não o é. Quem assistiu a semifinal da Copa Itália na semana passada viu um belo jogo entre um bom Milan e uma Juventus muito interessante. Para o campeonato, uma vez que a Itália está fora da Europa (sim, o Barcelona vai vencer o Milan), o final promete ser emocionante. E seguem algumas observações.

Ler mais

Saída de Teixeira mudará os nomes, mas não os fatos

Dias atrás, com a saída de Ricardo Teixeira, todos nos sentimos um pouco aliviados. O ex-presidente da CBF era, assim como pares seus na política, uma daquelas criaturas que não largam o osso a preço nenhum. Ainda que tenha havido um alívio por parte dos que acompanham com um pouco mais de responsabilidade o assunto, esse alívio foi tão efêmero quanto a conquista de um campeonato. Os cartolas que mantinham Teixeira continuam no poder, a imprensa esportiva continua sendo amadora em sua maioria e os torcedores ainda se mantém satisfeitos com um campeonato indizivelmente ruim, onde seus clubes estão falidos e só não são fechados legalmente porque este é o país do jeitinho. Os rumo do pós-Teixeira é que serão decisivos.

Ler mais

A Seleção que pode marcar as carreiras de Neymar e Ganso

Eu sei, eu sei. Faz tempo que não escrevo. Infelizmente, meu trabalho tem me deixado pouco tempo para versar sobre futebol e, na verdade, o futebol também tem feito pouco para merecer que eu perdesse meu tempo. Há, contudo, eventos que superam a normalidade pelo bizarro, como o jogo da Seleção Brasileira. Para todo mundo, o resultado e o jogo foram só bizarros e frustrantes. Menos para Ganso e Neymar. Os dois jogadores mais talentosos de sua geração estão sendo identificados como os símbolos da “Era Mano”, especialmente pelo alinhamento também extracampo com a gestão criminosa da CBF. Esportivamente, eles não tem culpa, mas a falta de atitude de ambos pode criar traumas em suas carreiras.

Ler mais

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top