Cartolas, hienas e direitos de TV

Não vou gastar meu tempo tentando provar que não há ramo na economia brasileira mais entregue à anóxia cerebral do que o futebol. Entre os decision makers do setor, por exemplo, estão um chefe de torcida e um presidente de clube cujo português equivale ao quarto ano do primário. Mesmo assim, o capítulo que está se desenhando ao redor da questão da venda dos direitos de transmissão do Brasileiro, está fazendo superar qualquer expectativa em termos de inabilidade. Na atual negociação, os responsáveis pelos clubes estão demonstrando uma inteligência de limites unicelulares. Isso, na melhor das hipóteses.

A negociação coletiva da venda dos direitos de TV é reconhecida universalmente como a que consegue arrancar das emissoras os mairoes valores. A lógica é simples: as barganhas individuais fazem com que um ou dois clubes possam exigir um pouco a mais por conta de audiências maiores. A contra partida é a de que clubes menores passam a ter uma referência que joga contra eles – a emissora alega que está pagando X para o clube de maior audiência e portanto só pagará uma fração de X ao clube de audiência menor. O jornalista Erich Beting exemplifica em seu blog como o processo acontece na Espanha, onde Real e Barcelona se beneficiam e o resto paga a conta.

Quando a negociação é coletiva, o representante dos clubes, sabendo da arrecadação das emissoras, tem força para exigir mais porque senão vende para outro. A emissora nem chora, porque sabe que mesmo assim faturará muito, muitíssimo. É por isso que na Inglaterra, por exemplo, o faturamento quebra recorde atrás de recorde na negociação global e a liga até pode se dar ao luxo de pagar dinheiro aos clubes rebaixados durante duas temporadas, para que eles não quebrem quando deixam o Eldorado da Premier League. E a partir dos próximos anos, a competição ficará ainda maior porque uma lei passou a determinar que uma única emissora não possa deter todos os direitos de transmissão. Não é protecionismo, é o contrário – é uma garantia de que não haverá abuso de poder econômico.

Sabe-se lá por que, aqui, clubes como Botafogo, Cruzeiro, Grêmio e Coritiba, acham que poderão ganhar mais dinheiro se desafiarem a lógica econômica que vigora no mundo todo. Os dirigentes desses clubes argumentam agora que receberão mais no próximo contrato, assinado diretamente com a Rede Globo, do que recebem no atual vínculo. Isso pode até não ser mentira, mas é um sinal de que a cartolagem age de má-fé ou é capaz de um raciocínio pateticamente frágil.

No mundo todo, a valorização dos direitos de transmissão para TV estão próximos da saturação. Outra vez, trata-se de economia básica: há um momento em que o produto já está sendo vendido por um valor que, se for ultrapassado, começa a dar prejuízo para alguém na equação – emissora ou anunciante. Isso não ocorreu no Brasil ainda (na verdade está longe disso e é isso que o C13 queria explorar), mas na Europa, se aproxima disso em países como Espanha e Inglaterra. Por isso, mídia e clubes nesses mercados começam a prestar atenção em algo que a Globo já está comprando antes que os dinossauros que comandam os clubes se dêem conta – as novas mídias.

Espera-se que até o final da década, a entrega de material por mídias digitais (que hoje é burramente chamado de ‘Internet’ pela maioria dos executivos e dirigentes no Brasil) ultrapasse com folga a audiência da TV. Nos EUA, o americano já passa mais tempo diante do computador do que vendo TV. O desenvolvimento de novos gadgets e ferramentas vão continuar impulsionando a mídia digital e minando a TV, uma vez que esta tem um custo operacional muito maior, depende de concessão, está atrelada a grades de horário, etc. O “burramente” citado acima é porque os luminares gênios que gerenciam a questão, quando pensam em Internet, imaginam um nerd obeso na frente de um browser, mas não se trata disso. A tendência é que em poucos anos, o acesso ao entretenimento venha por ferramentas diversas e mesmo na TV, a programação não virá por canais, mas por fornecedores de conteúdo alternativos que não dependem de concessão, que podem operar com custos menores e que entregarão conteúdos muito mais direcionados.

Hoje, clubes que têm torcidas e audiências menores, estão rindo á toa porque ganharão muito mais dinheiro, mas é o riso da hiena. Na verdade, eles estão vendendo receitas que não existem, mas vão existir – e serão muito grandes. Não se trata de vender os direitos dos jogos para as pessoas assistirem num browser, mas para que elas possam vê-los de qualquer lugar. Ou seja: os clubes estão reajustando o aluguel de uma casa para um valor maior (embora menor do que o que elas pudessem ter) e se achando espertos, mas na verdade, não sabem que dentro dessa casa existe um tesouro que, por três anos (no mínimo) estará arrendado.

Flamengo e Corinthians devem sair com contratos de TV melhores que os atuais (embora seja plausível se perguntar se isso significará melhorias para os times, já que os dois clubes têm estatutos e conselhos absolutamente abaixo da crítica), mas o futebol brasileiro como um todo recebrá menos do que podia – seguindo o exemplo em vigor na Espanha (onde o próximo acordo deve voltar a ter uma venda coletiva). Os clubes menores não só ganharão menos que os grandes, mas vão ganhar menos do que poderiam ganhar numa venda coletiva. O trágico é que só se darão conta disso quando Inês estiver morta. Isso, claro, supondo que todo mundo esteja agindo de boa fé. E isso acho que ninguém duvida. Duvida?

PS: No Blog do Perrone, ele menciona o argumento da Globo para Fla e Corinthians terem mais receita. De fato, a emissora tem toda razão. Toda. Se os diretores dos clubes vivem em negação, naturalmente o problema é deles.

Anteriores

De novo, a Udinese

Próximo

Quartas da Liga dos Campeões: Três barbadas e um páreo duro

8 Comments

  1. Cassiano Gobbet

    Se ensinassem português, já estaria muito bom. 🙂 abs

  2. Cassiano Gobbet

    Há duas variáveis aí: 1: a economia está aquecida e as verbas de publicidade tendem a crescer com isso; 2) a Globo é, de longe, a emissora mais preparada e aparelhada para poder enfiar o pé na jaca para explorar os direitos de transmissão nas novas mídias (que são uma receita completamente inexplorada). Sim, há uma possibilidade de que haja uma negociação mais obscura por trás disso, mas sinceramente, não creio que a Globo precise desse tipo de artimanha num episódio do tipo, porque é a emissora mais rica, com maioir audiência, maiores condições, reputação, etc. É como imaginar que a Microsoft vai pagar uma propina para um fiscal para eliminar um problema que ela tem como resolver fácil com suas vantagens mercadológicas. E, sim, os clubes NÃO vão reverter esta grana em melhorias. Sempre houve o tratamento de novas receitas no Brasil como o fim de todos os males – desde a venda dos primeiros espaços publicitários nas camisas nos anos 80. De lá para cá, os clubes só aumentaram as dívidas e fizeram times cada vez mais fracos. abs

  3. Cassiano Gobbet

    Esse é o problema pelo qual eu menos culpo os dirigentes. É uma consequencia histórica. Mídia e Torcida também acham, por exemplo, que Coritiba e Paraná são “grandes”. Claro, são clubes importantes e “grandes” dentro de suas rivalidades locais, mas são o equivalente a, digamos, um Wolverhampton e um Bolton Wanderers, na Inglaterra. O que os dirigentes fazem de nocivo, isso sim, é o de usar isso para se manter no poder, por exemplo, quando vem “denunciar” arbitragens favorecendo times de Rio ou SP, ou similares. Tudo isso nasce dessa aberração anacrônica que são os estaduais (torneio para os quais este blog baixou um ban eterno.

  4. Raphael

    Por isso que como estudante de economia, quase formado, digo que economia deveria ser ensinado no colégio, para que as pessoas aprendessem coisas que embora sejam ensinadas e aprofundadas na universidade, em sua essência são básicas.

  5. Cassiano,
    Especialistas como Erich Beting acreditavam que clubes de alcance regional como Grêmio, Inter, Cruzeiro e Atlético dificilmente conseguiriam valores muito superiores aos que já vinham recebendo. Para eles, só Flamengo, Corinthians e talvez São Paulo conseguiriam sair ganhando nessa história. E como sempre alguém tem que pagar a conta, sobraria para os pequenos que quase não têm poder de barganha.
    No entanto, esse valor oferecido ao Grêmio supera (e muito) as expectativas. Obviamente, se a Globo ofereceu mais é porque tem patrocinadores capazes de cobrir essa diferença. Algo que num mercado que só faz crescer como o brasileiro não é algo tão absurdo.
    O que causa alguma estranheza é esse valor oferecido aos gaúchos e os supostos valores que os dois clubes de maior torcida poderão receber. Valores bem próximos aos que recebem os clubes de médio porte na Europa.
    Mas, como você bem disse, ter dinheiro não significa saber usá-lo.
    Abraço.

  6. Diogo Terra

    Outro problema, Cassiano, que acho que você já abordou aqui, é aquela mania irritante de certos dirigentes acharem que seu(s) clube(s) é(são) grande(s). Bem, fazer média com a torcida, vá lá, mas ficar se devaneando em torno de Estaduais ou outros torneios irrelevantes é o que me tira do sério. Se um determinado título ou evento é importante, porque buscar obsessivamente a “legitimação” dos mesmos? Pior, fazê-lo pedindo arrego à CBF que, astutíssima, exigirá favores e submissão em troca? E pior ainda, ficar arrotando essa vantagem em mesas redondas repletas de merchandeiros e analfabetos funcionais?

  7. Cassiano Gobbet

    Não me parece ser difícil entender a questão, Michel. Dinheiro não se multiplica sozinho. Se a Globo vai pagar mais, é porque vai tirar de algum lugar (o que levanta a seguinte dúvida: se a Globo pode pagar mais, por que não topou a concorrência do C13). Em relação a Corinthians e Flamengo, tendo a achar que o que vai acontecer é que os dois clubes vão aumentar o gasto de dinheiro malfeito. Um clube no qual o presidente do conselho fiscal é chefe de torcida e outro onde o presidente tem um assessor chamado Mané da Carne não melhoram simplesmente com um simples aumento na receita, né? Mas a mágica uma hora acaba. Palmeiras e Vasco querem receber a mesma coisa que Flamengo e Corinthians. Só que isso só seria possível com a negociação coletiva. E assim, quem pariu Matheus que o embale…Abs

  8. Tenho uma visão parecida sobre essa questão, Cassiano. No entanto, me surpreendi com os valores que o Grêmio conseguiu em sua negociação com a Globo. O clube gaúcho dobrou seus valores! Algo que, em tese, não deveria ter acontecido. Enquanto isso, dizem que Flamengo e Conrinthians podem fechar por algo em torno de 150 milhões. Uma quantia que pode transformar consideravelmente o poder de ambos no mercado.
    Definitivamente, tem algo muito estranho nessa história e é por essas e outras que acompanho essa novela com muita atenção.

    Abraços.

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top