Voltando da pausa

O retorno da pausa de inverno foi interessante de acompanhar na Itália. Internazionale e Napoli não fizeram só o jogo da primeira rodada de 2011, mas também deixaram coisas claras em sua volta. Primeiro, e mais óbvio, é que o time interista estava boicotando Rafa Benitez visivelmente, tal a qualidade do futebol de seus dois primeiros jogos. Leonardo não é um mau técnico mas pensar que com meia dúzia de treinos ele pudesse ter transformado pão em vinho é sandice. Segundo, que o Napoli tem um belo time sim, e que com um técnico com mais recursos que Walter Mazzarri, pode vir a brigar por vagas na LC em breve. Cavani está demonstrando o que sempre deu a entender – que pode ser um goleador mortal no esquema certo e Hamsik é jogador para um grande europeu.

Roma, Juve e Milan deram indicativos importantes do resto de suas campanhas. Na capital, o problema mais uma vez está ligado à indisposição do capitão Totti de aceitar um papel à altura de sua condição de cada vez mais veterano. Claudio Ranieri não pode montar um time à sua volta porque ele não tem mais o frescor necessário para isso. Vucinic é o novo cerne do ataque romanista e Totti, um coadjuvante técnico – embora tenha uma aura e mística que podem ajudar muito a Roma, desde que ele não se ache mais importante do que o clube.

Na Juventus, a limitação é de elenco. Quebrado Quagliarella, o ataque se desmontou e quando Felipe Melo ficou de fora, a defesa ruiu, mesmo com um ícone como Chiellini e um excelente zagueiro como Bonucci ainda em campo. Sissoko está às turras com o clube e seu estado físico é ainda pior, por conta de erros do staff médico da Juve (coisa que, críticas à parte, jamais aconteceria sob a batuta de Luciano Moggi). A chegada de Toni sugere a saída de Amauri. Falta mais um defensor e um mediano de interdição. É incrível, mas a lesão de um jogador (Quagliarella) desandou a maionese do time todo, porque revelou que o time titular é bom, mas o elenco é cheio de carências, que são mais do que compreensíveis num clube ainda em reconstrução..

No líder Milan, a sensação de que o ano é bom (como definiu Gattuso), procede. O time pontua mesmo sem jogar bem. Com a ausência de mais de metade do elenco em duas partidas (Ibrahimovic, Pirlo, Boateng, Ambrosini, Zambrotta, Nesta, Abbiati, Inzaghi…), Allegri sacou Strasser e Merkel da horta milanista e mesmo que os dois não tenham dado show, dão a entender que já podem fazer parte efetivamente do elenco – da mesma maneira que Bonera não pode jogar no centro da zaga na Série A, como Di Natale, Sanchez e Denis esclareceram pela milésima vez.

Sobre a saída de Ronaldinho Gaúcho, tratou-se de um alívio para o clube (e para o jogador que não tem mais condição de atuar num futebol de primeira linha). O Alívio não significa que o clube tenha se tornado doador de dinheiro, fato só não compreendido pelas imprensas provincianas que torciam loucamente para que o Gaúcho, que custou R$50 milhões há 30 meses, fosse doado pela Fundação Milan a Grêmio ou Palmeiras. A ira patética de alguns jornalistas contra Ronaldinho, Assis ou Adriano Galliani só reafirma o compromisso com o amadorismo que ainda tem raízes fortes na “imprensa bairrista”. Imaginar um profissional ou empresas abrindo mão de milhões de reais por “amizade” ou “paixão” é de um tom pueril, para dizer o mínimo. Ao escrever estas linhas, leio que Ronaldinho deve assinar com o Flamengo e se fizer isso, o fará porque teve uma proposta melhor (e que cujo pagamento deve ser garantido por outrem, uma vez que as dívidas na Gávea não são pequenas) e porque o Milan também recebeu mais.

Anteriores

Um parêntese do futebol

Próximo

O melhor

8 Comments

  1. Cassiano Gobbet

    O Hamsik é um craque em potencial – o que não significa que ele terá cabeça para chegar a ser, Napoli é difícil para isso. É mais ou menos como o Rio – uma cidade cujo calor da torcida, assédio e adoração facilmente enterram jogadores. O MIlan esperava zero reais para se livrar de Ronaldinho. R$6 milhões é uma fortuna comparado a isso. E seu salário é de Europa mesmo. abs

  2. Cassiano Gobbet

    Totti pode somente se dar conta de que não é mais intocável.
    Não acho Felipe Melo caso perdido, mas carrega um estigma.
    Cassano excelente e Bonera ridículo; Criscito e Ziegler seriam ótimos nomes e creio que é possível que os dois desembarquem em Milanello até junho. O problema do Milan agora é encaixar Pato e Ibra. Fazendo isso, terá o segundo melhor ataque do mundo. abs

  3. Gilson

    “A ira patética de alguns jornalistas contra Ronaldinho, Assis ou Adriano Galliani só reafirma o compromisso com o amadorismo que ainda tem raízes fortes na “imprensa bairrista”. Imaginar um profissional ou empresas abrindo mão de milhões de reais por “amizade” ou “paixão” é de um tom pueril, para dizer o mínimo.”

    Concordo em 100%. Li, devo dizer que com enorme espanto, vários artigos – o mais intrigante deles escrito na última página do L! – crucificando Galliani pelo fato do cara ter tido a audácia de exigir pagamento para liberar um jogador sob contrato.

    Impressionante. Acabou o capitalismo e ninguém me avisou? Talvez o cartola do Milan até pudesse pensar em fazer essa caridade ao fut brazuca, mas, se tinha isso em mente, mudou de ideia rapidinho depois de ver o leilão que Assis estava entabulando.

  4. Raphael

    O que acho íncrivel no Napoli é o espírito de luta ímpar do time, porque eles se não me engano, conseguiram em 18 partidas empatar ou ganhar nos últimos minutos.

    E o que o Gílson disse abaixo eu sempre comento com amigos, que se tivesse uma defesa mais segura, com um zagueiro de bom/ótimo nível, e um volante decente, o Napoli certamente seria um candidato muito mais perigoso e constante para o scudetto.

    E na boa, a Juventus sente muita a falta de uma figura com a influência e força no clube do Moggi. E o mercado da Juventus é muito confuso, porque gastaram rios de dinheiro no Martinez, agora assinaram com o Toni e estão querendo o Floro Flores, além do Sissoko que era pra ter saído, mas vai ficando.

    E pra quem acha que jogador não derruba treinador, vá assistir aos jogos da Inter!

  5. Gilson

    Também em (razoavelmente) poucas palavras:

    Napoli: a equipe precisa desesperadamente de um zagueiro de alto nível e de alguém mais capaz que o Pazienza na “volância”. Se contratar esses dois jogadores nesta janela, e tiver um pouco de sorte, belisca fácil, fácil uma vaga na CL;

    Sobre a Juventus: apesar da camisa pesadíssima na Itália, creio que a partir de abril, quando a temporada dos bianconeri entrar no nono mês para a esmagadora maioria do elenco, a coisa comece até a piorar. Vamos esperar para ver se essa minha expectativa vai se confirmar mesmo;

    Sobre o Milan: se Berlusconi arranjar um tempo para assumir definitivamente o comando técnico da equipe, é possível que o scudetto venha. Com Allegri só se acontecer um milagre. Em 23 anos acompanhando o clube, jamais vi um treinador tão incompetente dirigindo a equipe. E seria de bom tom o capo contratar Moggi em julho e deixar que Galliani tenha seu merecidíssimo descanso.

  6. Alguns pitacos:

    Sempre vejo partidas do Napoli na esperança de ver algo em Hamsik que justifique toda a expectativa que o cerca, mas simplesmente não consigo. Fora alguns bons passes, o que mais vejo é o exercício de invisibilidade. Impressionante como ele se omite. E ainda li alguém dizendo que ele era mais jogador que Kaká. Só se for no período em que o meia do Real Madrid estava se recuperando da operação.

    Sobre Ronaldinho, os valores pagos ao Milan não foram tão altos (R$ 6,7 milhões), mas o seus salário irá de um mínimo de 5 milhões de euros anuais até um máximo de 11,25 milhões. Salário de europa, sem dúvida.

    Abraço.

  7. Rafael Borges

    Em poucas palavras

    Roma: Chegou a hora de Totti pendurar as chuteiras.

    Juve: Sem Quagliarella e com Delneri, Toni e Amauri não dá. Felipe Melo é um caso perdido.

    Milan: Cassano excelente, Bonera ridículo. E o Milan segue sem goleiro e laterais confiáveis.

  8. Boni dos Santos

    quando o Napoli comprou Cavani ao Palermo eu fiquei desconfiado porque na Sicilia ele nunca mostrou ser aquele atacante que garantisse 20 gols numa temporada, ele chegou a ficar na reserva de Abel Hernandez. O legal é que taticamente ele me parece mais jogador (na Copa ele jogava aberto na esquerda)que foram Bierhoff, Crespo e Trezeguet e se continuar marcando muitos gols vai parar numa Inter em breve.

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top