Um técnico trabalhando

Pasquale Marino é um dos técnicos italianos que me surpreendeu recentemente. Primeiro, ele apareceu para a Série A num Catania que eu tinha certeza que ia cair, depois de uma boa campanha no Arezzo. Não só não caiu como plantou as bases para uma permanência dos etnei na Série A. Depois, fez a Udinese jogar realmente bem por um tempo e confirmou Di Natale como um goleador nato (algo que antes não acontecia, com o legítimo Totó jogando como externo direito, longe do gol, desde os tempos do Empoli). Agora, está acertando o Parma (ou pelo menos deu sinais disso) passo a passo, sem contratações nem mudança de esquema. É definitivamente um treinador trabalhando.

O Parma que começou o campeonato despencando usava o mesmo esquema de hoje, um 4-3-3. Na verdade, a única mudança significativa de lá para cá foi uma mudança contundente no meio-campo. Valiani, um meio-campista obscuro, foi passado por Marino da meia-direita para o lado esquerdo do trio de ataque, enquanto Candreva, trequartista, passou do ataque para o meio-campo. A defesa (Zaccardo, Paci, Lucarelli e um lateral entre Antonelli, Gobbi e Pisano) não mudou nada e o resto do meio-campo se manteve com a regência de Dzemaili e Morrone.

Marino descobriu que com Candreva no meio-campo e Valiani no ataque, montava na verdade um 4-4-2 assimétrico, especialmente pela presença de outro meio-campista sem renome, o espanhol Marqués, no ataque. O ibérico abre a jogada pela ponta como um externo de meio-campo, enquanto Candreva avança e se une ao ataque. É um esquema meio caótico, mas visivelmente com dedo de treinador em trabalhos táticos. Bojinov é o atacante principal, mas Crespo e até Giovinco já atuaram alí.

É bacana ver um time se acertar sem contratações. Na verdade, contratações, como as que a Inter deve fazer em janeiro, revelam um erro de estratégia ou uma série de lesões. Marino não conhecia bem seu grupo nem pediu uma baciada de reforços. O Parma tem um elenco no qual os únicos destaques são o campeão mundial Zaccardo e o búlgaro Bojinov, alémd e Candreva e Giovinco, em busca de rabilitação após o fracasso na Juventus. Sinceramente torço para que o Parma se acerte.

Anteriores

Pênalti? Sim, não, e talvez.

Próximo

Um novo companheiro para Messi

2 Comments

  1. Raphael

    Parma que aliás já havia feito uma ótima temporada no campeonato passado, em que retornou a Série A.

    E foi com o Marino que o Catania conseguiu o acesso e a manutenção na Série A, com um futebol ofensivo para uma equipe pequena e sem jogadores badalados.

  2. Boni dos Santos

    adorei a análise

Os comentários estão desativados.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

Top