A Itália, sempre que vai a uma competição internacional e dá vexame, volta reclamando de arbitragem, combinações, teatro, farsas e etc. Até daria para encarar, se a vida dentro do próprio futebol italiano não fosse tão cheia de escândalos. Doping, clubes com contas fraudadas, dirigentes envolvidos com credores de clubes. Tem de tudo. Nos últimos meses, o que chamou a atenção é um escândalo de apostas. E está pintando cana da brava para uma penca de gente.

As investigações da polícia italiana sobre escândalos que envolvem apostas e partidas com resultados arranjados parecem estar num buraco sem fundo. Quanto mais se cava, mais corpos aparecem. E os indiciados já chegam a 50, entre jogadores, empresários, dirigentes e treinadores. Muitos deles com ameaça de cadeia ou de suspensões pesadas.

O drama é tamanho que já é praticamente certo que a Série B deva ter seu início adiado, ainda não se sabe por quanto tempo. Dirigentes como Nelso Ricci (Siena), Giovanni Sartori (Chievo), entre outros, estão sendoo acusados de participação em fraude esportiva. Mais? Cerca de três dezenas de jogadores, entre eles o “azzurro” Bettarini também caíram na malha fina e terão de rebolar para saírem ilesos.

Rigorosamente impossível um palpite sobre o que deve acontecer. Ou melhor: o que deve acontecer é claro. Muita gente será presa, suspensa ou multada. Impossível é definir a quantidade de pessoas que estarão no meio desse imbróglio. Depois, a Itália sai de torneios internacionais e culpa árbitros ou rivais que empatam jogos “de propósito”. Olhar a cauda atér que não seria tão mal assim, né bella?

Atalanta Bergamasca Calcio

Estádio: Atleti Azzurri D’Italia (26.600 lugares)
Técnico: Andrea Mandorlini
Estrela: Demetrio Albertini (meio-campista)
Fique de olho: Riccardo Montolivo (meio-campista)
Quem chegou: Sala (Chievo), Piá (Ascoli), Comandini (Genoa), Natali (Bologna), Albertini (Lazio), Rivalta (Vicenza)
Quem saiu: Budan (Palermo), Smit (Bologna), Sarr (Milan), Della Rocca (Bologna), Guarente (Verona), Foglio (Vicenza), Vugrinec (Catania)
A Atalanta é um time provinciano que foge à regra. Com uma das divisões de base mais prolíficas da Europa, sempre aposta nos jogadores que revela para poder dar um salto de qualidade. Assim, mesmo sendo recém-promovida, a equipe de Bergamo não nega que pode terminar com uma vaga na Copa UEFA. Andrea Mandorlini usou na temporada passada um 4-4-2, e é provável que o mantenha para este ano. O experiente Albertini é quem terá o timão do meio-campo, provavelmente ao lado de Damianno Zenoni, Alex Pinardi e Riccardo Montolivo. No ataque, atenção para Pazzini, uma das promessas atalantinas para o setor. Na defesa, muita experiêcia, com Innocenti, Taibi, Rustico e Sala. Nada de chutões e retrancas. Toque de bola e velocidade devem delinear o jogo bergamasco neta temporada.
Pretensão: terminar na metade de cima da tabela

Bologna Football Club

Estádio: Renato Dall’Ara (39.300 lugares)
Técnico: Carlo Mazzone
Estrela: Zagorakis (meio-campista)
Fique de olho: Mourad Meghni (meio-campista)
Quem chegou: Juarez (Siena), Nastase (Palermo), Coppola (Reggina), Cipriani (Bologna) Smit (Atalanta), Della Rocca (Atalanta), Daino (Ancona), Petruzzi (Brescia), Giunti (Besiktas-TUR), Calabrese (Santarcangiolese), Capuano (Pisa), Zagorakis (AEK- GRE), Cotroneo (Palermo)
Quem saiu: Nakata (Fiorentina), Dalla Bona (Lecce), Troise (Napoli), Moretti (Valencia), Natali (Atalanta), Rossini (Sampdoria), Zaccardo (Palermo), Manninger (Brescia), Signori (Iraklis – GRE)
O Bologna partde uma base já montada no ano anterior, com o experientíssimo Carlo Mazzone no banco. O técnico romano ganhou uma contratação de peso, o grego Zagorakis – o melhor jogador da Euro – o que deve dar uma consistência ao um setor que era vacilante no ano passado. Mazzone deve confiar uma defesa a três a Juarez, Gamberini e ao romeno Nastase. Giunti e Zagorakis quase que certamente formarão o miolo do meio-campo, e Nervo é titular certo numa das alas. Muitas opções para o ataque, e também é certa a presença de Locatelli num time que provavelmente alternará o 3-5-2 com o 3-4-1-2. Na área, o gigante albanês Tare é a opção de bolas aéreas; Cipriani e Della Rocca, as mais técnicas.
Pretensão: vaga na UEFA

Brescia Calcio

Estádio: Mario Rigamonti (27.500 lugares)
Técnico: Giovanni De Biasi
Estrela: Luigi Di Biagio (volante)
Fique de olho: Andrea Caracciolo (atacante)
Quem chegou: Mannini (Pisa), Dallamanno (Lumezzanne), Manninger (Bologna), Alessandro Lucarelli (Fiorentina), Cortellini (Lumezzanne), Zoboli (Albinoleffe), Sculli (Chievo), Domizzi (Modena), Zambrella (Servette – SUI)
Quem saiu: Pisano (Sampdoria), Brighi (Juventus), Maniero (Torino), Castellini (Real Betis – ESP), Mauri (Modena), Colucci (Verona), Matuzalém (Shakhtar Donetsk – UCR), Petruzzi (Bologna), Dainelli (Fiorentina), Alberti (Cesena), Gona (Ternana)
Tentando bater um recorde de cinco temporadas consecutivas na Série A, inédito na história do clube, o Brescia precisa provar que pode fazê-lo sem estrelas e sem Roberto Baggio, o anjo da guarda lombardo nas últimas quatro temporadas. O técnico Di Biasi vai montar o sei time em cima da experiência de Di Biagio, agora um zagueiro central, e das suas promessas ofensivas, Del Nero e Caracciolo. Sem Baggio, o time todo vai ter de se aplicar mais na fase de construção, e é aí que mora o perigo. Muito provavelmente, o jogo do Brescia será sulcado nos ataques pelas pontas, com Bachini e Schopp indo muito à linha de fundo. Temporada perigosa para o clube, a menos que chegue um nome de peso na última hora.
Pretensão: evitar o rebaixamento

Cagliari Calcio

Estádio: Sant’Elia (39.900 lugares)
Técnico: Daniele Arrigoni (novo)
Estrela: Gianfranco Zola (atacante)
Fique de olho: Rolando Bianchi (atacante)
Quem chegou: Katergiannakis (Olympiakos – GRE), Gobbi (Treviso), Alvarez (Peñarol – URU)
Quem saiu: Modesto (Monaco – FRA), Pantanelli (Catania)
Defender o máximo possível para Zola salvar o jogo num lance individual. O Cagliari do recém contratado Daniele Arrigoni vai protagonizar o tradicional trajeto dos times pequenos que acabaram de subir. Sem granbdes contratações, os sardos precisam mais do que nunca do veterano Zola. O atacante hondurenho Suazo também tem a sua chance de se confirmar, após tantos anos como promessa na Série B. Muito provavelmente ainda apresentará alguns empréstimos de última hora para aumentar um elenco bastante enxuto. Candidato ao rebaixamento.
Pretensão: evitar o rebaixamento